Ataque sofrido por Yahoo! pode ser ‘ciberguerra fria’, dizem especialistas imprimir publicado em: 24 / 09 / 2016

yahooO ataque maciço às contas do Yahoo!, provavelmente cometido por um grupo vinculado a um Estado, pode ser um novo exemplo da “ciberguerra fria” de alguns países como a Rússia ou a China, mas não há como prová-lo, segundo especialistas.

É impossível identificar com certeza os autores da invasão inédita de 500 milhões de contas de usuários da empresa. Alguns especialistas suspeitam que a Rússia esteja implicada, outros acreditam que o ataque foi obra do crime organizado.

“Sempre é difícil atribuir a autoria de um ciberataque. Até agora nenhum Estado reivindicou um ataque desse tipo. Mas no caso do Yahoo!, o tamanho do ataque indica que foram necessários muitos recursos, meios técnicos e coordenação; emana obrigatoriamente de um Estado”, afirma Julien Nocetti, investigador do Instituto Francês de Relações Internacionais (IFRI).

“Em um contexto de tensões entre a Rússia e os Estados Unidos sobre a Síria, podemos formular a hipótese de uma vontade russa de testar a capacidade americana em matéria de ciberdefesa”, opina.

“Não acredito que o Yahoo! tenha atribuído o ataque a um Estado sem ter alguns elementos concretos”, sugere Shashank Joshi, pesquisador do Royal United Services Institute de Londres.

Para Nocetti, “estes ciberataques lembram a guerra fria, quando os bombardeiros sobrevoavam os países ameaçando soltar bombas”.

“Mostra que temos a capacidade de ameaçar outro Estado. Os russos e os chineses se situam em uma relação de força, uma visão militarizada das relações internacionais. É uma maneira para eles de mostrar seu poder”, diz.

Nesse contexto, o Yahoo! é um bom objetivo.

“São dados de um valor incrível, que todo serviço secreto gostaria de ter. Mas algumas presas, como o Yahoo!, são tão grandes que um ataque em grande escala tem um valor embora não haja um objetivo preciso”, acrescenta Shashank Joshi.

“O Yahoo! está caindo, mas é uma empresa simbólica que foi pioneira da web”, acrescenta Nocetti. “Há dois anos, vêm sendo feitos ataques repetidamente contra os grandes grupos de internet”.

Quem se beneficia?
China, Rússia e Coreia do Norte foram acusadas em casos recentes de hackear o grupo Sony, o canal francófono TV5, o Partido Democrata americano e a Agência Mundial Antidoping (Wada). Mas todos os países procuram desenvolver tal capacidade, tanto os Estados Unidos como outros, lembram os especialistas.

A Rússia foi acusada também de ter invadido páginas de internet do governo ucraniano, de ter lançado ataques informáticos contra os países bálticos, de ajudar os hackers sírios pró-regime ou de ataques contra a Wada.

Em 2015, Hillary Clinton acusou a China do ataque maciço de dados nos Estados Unidos, e um relatório da empresa americana Mandiant em 2013 acusou o gigante asiático de ter roubado enormes quantidades de dados de 141 organizações.

A Coreia do Sul suspeita que a Coreia do Norte emprega 6 mil hackers treinados desde o ensino secundário para atacar as suas organizações, desde bancos a reatores nucleares, mas também o grupo Sony.

Mas na Rússia, frequentemente acusada de pirataria patrocinada pelo Estado, um especialista afirma que é ingênuo colocar a culpa imediatamente em um governo e zombou a sugestão de que os hackers eram espiões sofisticados.

“Qualquer um poderia ter invadido uma base de dados de usuários como a do Yahoo!, porque é um servidor comercial clássico”, disse Oleg Demidov, um consultor no think-tank PIR Center, em Moscou.

“No momento, isso parece uma invasão tradicional destinada a ganhar dinheiro ou a criar uma reputação com a venda de dados pessoais”, acrescentou.

“Geralmente se suspeita de importantes atores de Estado, com a Rússia e a China como principais suspeitos (…). Pode ser também uma falsa informação difundida de propósito”, observa François-Bernard Huyghe, pesquisador no Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (IRIS).

“Trata-se de um roubo de dados, o que já aconteceu com o Yahoo! em 2012. Os hackers puseram então os dados à venda”, acrescenta.

Michael Bittan, da Deloitte, afirma que a tendência seria “suspeitar de quem se beneficia com o crime”.

“Aqui não vemos claramente o interesse que um Estado teria em recuperar esse tipo de base de dados. Me inclinaria mais pelo crime organizado”, diz.

AFP


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas