Max: “Oposição está equivocada. Convenção não é showmício” imprimir publicado em: 02 / 08 / 2016

Charlles Max, advogado de defesa de Firmino

Charlles Max, advogado de defesa de Firmino

Tem repercutido a informação do deputado estadual Evaldo Gomes (PTC) de que vai entrar com um processo pedindo a cassação do registro de candidatura do prefeito e candidato a reeleição Firmino Filho (PSDB).

Evaldo aponta que Firmino e sua equipe fizeram um “showmício” no sábado passado, ao colocarem a banda Xenhenhem para tocar na convenção realizada no Atlantic City, zona leste de Teresina. É que pouco antes da fala de Firmino, a banda animou o evento.

“O que a gente pôde ver foi abuso do poder econômico, burlando a lei eleitoral, contratou uma banda musical, proibida por lei, para atrair o público. Nós vamos entrar com uma ação de cassação de sua candidatura. Ele tem que ter os mesmos direitos dos outros”, justificou Evaldo Gomes.

Firmino diz que deixa para a sua assessoria jurídica tratar do assunto. A reportagem buscou. Charlles Max, advogado de defesa do agora candidato Firmino Filho, disse que a oposição está “completamente equivocada”. Para ele, estão querendo “criar fatos”.

Sem citar diretamente o nome de Evaldo Gomes, o advogado explicou: “A oposição está equivocada. Convenção é diferente de showmício. Virou até algo comum confundirem convenção com comício. Mas é preciso que fique bem claro que são duas coisas totalmente distintas num período eleitoral. A convenção é feita por um partido para só depois definir um candidato. Já o comício é feito quando já se tem um candidato e este, aí, está proibido de promover shows”.

Charlles Max explica ainda que uma convenção é realizada por um partido, que inclusive presta contas de tudo que teve como despesa, não pelo candidato. “Os comícios se dão após o registro da candidatura e tem como finalidade a obtenção do voto do eleitor. Já a convenção se dá no período que antecede. E tem uma finalidade distinta: se presta a escolha das candidaturas e das coligações. Vai haver uma prestação de contas feita pelo PSDB, que é quem organizou a convenção. O partido tem registro de pessoa jurídica de direito privado. Faz uma convenção em um local fechado, paga por ele, não em praça pública”.

Não há, segundo o advogado de defesa de Firmino, qualquer tipo de impedimento dentro de uma convenção no que diz respeito a realização de um show. “Se a banda Xenhenhem tocou, foi porque o PSDB a contratou. E vai pagar e prestar contas sobre isso. É algo totalmente transparente. Tudo que tinha ali, desde os banners, cartazes, é uma coisa organizada pelo partido. O próprio nome já diz: convenção partidária. Não foi o candidato que promoveu. Até porque ele só pôde ser candidato depois deste evento. Então, que não se confunda: convenção não é showmício”.

O Olho


PDF pagePrint page

PARTICIPE

0 comentário Comente agora!

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

últimas