Colombianos montam esquema de agiotagem com juros de até 20% imprimir publicado em: 22 / 09 / 2018

A crise econômica e a diminuição do crédito no sistema financeiro têm feito com que uma antiga prática ilegal volte a ressurgir na realidade do país, a agiotagem. Em Teresina, aproveitando-se desse cenário, pessoas ofertam empréstimos a custos elevados e engendram um ciclo que se espalha, principalmente, pelas zonas Norte e Centro da cidade.

Bruno*, que é um pequeno empresário, teve que recorrer a oferta de um agiota para resolver uma questão particular. Morador da zona Norte da cidade, ele afirma que a prática pela região se tornou comum e pessoas oriundas da Colômbia fazem o mercado do empréstimo de dinheiro a juros elevados acontecer.

São ofertados, como explica Bruno, a possibilidade de empréstimo de qualquer valor a ser pago diariamente, semanalmente ou mensalmente. A depender do valor solicitado, os juros são efetivados. No caso do dele, que solicitou R$ 400, os juros foram de 10% e o recolhimento do empréstimo feito de forma semanal.

“Você não pode falhar, porque senão eles cobram mais no outro dia. A pessoa só faz quando está precisando mesmo, porque os juros são altos”, destaca.

Atualmente, a taxa de juros permitida pela lei brasileira dentro de empréstimos entre pessoas físicas tem o limite de 1% ao mês. Qualquer taxa de juros que seja cobrada acima desse valor é considerada pela lei brasileira como crime de agiotagem.

“No Centro, eles chegam com uma folha e colocam os dias em que a pessoa terá que ficar pagando o empréstimo, com juros de 10% até a 20%, e a cada dia, ele vai riscando quando recebe o valor”, afirma outra fonte que preferiu não se identificar.

Em julho deste ano, dois colombianos foram presos em Teresina identificados por realizarem a prática. Segundo a polícia, os autores chegavam a cobrar 20% de juros em cima do valor emprestado. Apesar dos relatos recentes colhidos, procurada pela reportagem, a Delegacia Geral da Polícia Civil do Estado do Piauí não soube informar de nenhuma investigação recente sobre os casos em Teresina.

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas