Condutores reclamam de engarrafamento na Avenida Miguel Rosa imprimir publicado em: 20 / 03 / 2018

consgetionamentoNesta semana, o tráfego na zona sul da capital passou por diversas mudanças com a implantação do Inthegra, novo sistema de transporte público. Entretanto, essas alterações estão afetando não só os usuários de ônibus, mas também motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres.

Um dos pontos mais críticos é onde ocorreu o atropelamento do mecânico Alfredo Luís Barbosa, na tarde desta segunda-feira (19). Ronaldo Lima, professor, conta que passou mais de meia-hora no trecho. “Ainda bem que não tinha um compromisso inadiável, trabalho ou coisa assim, senão teria prejuízos”, falou.

fia de carrosA jornalista Wanessa Gommes passa todos os dias na avenida e relatou que está enfrentando um trânsito mais lento desde ontem. “Com o funcionamento do corredor exclusivo na Miguel Rosa, no sentido Pires de Castro, o trânsito ficou muito lento, porque só duas faixas para os carros não são suficientes. Para os ônibus ficou excelente, porque eles se movimentam mais rápido, mas para os outros veículos ficou péssimo. Hoje passei 25 minutos para sair do cruzamento da Miguel Rosa com a Nações Unidas até o cruzamento com a Joaquim Ribeiro, o que normalmente levava 10, 12 minutos”, colocou.

Outro lado

Procurada nesta terça-feira (20), assessoria de comunicação da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) informou que os engarrafamentos estão acontecendo por que as pessoas ainda não se adaptaram com as mudanças ocorridas na capital.

Além disso, a ideia da Strans é priorizar o transporte público. “A nossa proposta é fazer com que as pessoas deixem seus veículos em casa e passem a utilizar os transportes coletivos. Por isso, estamos privilegiando o ônibus, que é um veículo que transporta mais pessoas do que um carro particular. Essa é a política nacional de mobilidade urbana”, destacou a assessoria.


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas