Criança resgatada no PI passa por exame para confirmar o estupro imprimir publicado em: 26 / 03 / 2017

Oeiras

Delegacia de polícia da cidade de Oeiras

Após o resgate de uma vítima de sequestro de 11 anos em Oeiras, no Sul do Piauí, o Conselho Tutelar da cidade levou neste sábado (25) a criança para a realização de um exame que pode comprovar que ela sofreu um estupro. Além disso, o órgão está providenciando a volta da menina para sua família na cidade de Ipameri, no Goiás.

 Nessa sexta-feira (24), um homem de 40 anos foi preso em flagrante mantendo a menina em cárcere privado em uma casa em Oeiras. A criança estava desaparecida desde quarta-feira (22), quando saiu para ir à escola a pé e não chegou ao destino. Após a prisão, o suspeito alegou que tinha um relacionamento amoroso com a adolescente desde dezembro do ano passado e durante o cárcere privado manteve relações sexuais com a vítima

Uma conselheira tutelar de Oeiras, que não quis ter seu nome identificado, contou que a garota estava muito assustada após a realização do resgate e que teria saído de casa porque sofreria maus tratos dos pais.

“A garota encontra-se bastante assustada e no hospital aguardando o exame para comprovar o estupro. Ela não fala muito. Só declarou que fugiu dos maus tratos da mãe e que gosta do suspeito. Não sabemos até que ponto isto é verdade, pois a criança não apresenta lesões de maus tratos e nenhum registro foi feito da ocorrência”, disse.

A conselheira contou ainda que a menina usava uma aliança de compromisso dada pelo suspeito, mas não quis dar detalhes da relação deles. “Após os exames, vamos encaminhá-la de volta a Ipameri. Uma conselheira vai levar a criança até certo lugar, onde uma pessoa da família irá buscá-la”.

Para o Conselho Tutelar, a criança confirmou o relacionamento com o homem, mas o delegado Francisco Rodrigues, que prendeu o suspeito, informou que para a lei, a fala da vítima é irrelevante, pois a ela é menor de 14 anos e a relação deles configura um crime.

“O homem que raptou a menina foi preso em flagrante e autuado por sequestro e estupro de vulnerável. Os dois admitiram que mantiveram relação sexual. O fato de os dois dizerem que têm um relacionamento é irrelevante para a lei”, disse o delegado se referindo ao artigo 217-A do Código Penal Brasileiro que trata dos “Crimes Sexuais Contra Vulnerável” e prevê pena de 8 a 15 anos para quem tiver conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14  anos.

O delegado afirmou que após o resgate, a criança ficou com o Conselho Tutelar de Oeiras, que vai providenciar a realização do exame do corpo de delito e a volta da vítima para a casa da família. O auto de flagrante foi encaminhado para a Justiça, que vai decidir se solta o suspeito ou se decreta sua prisão preventiva.

Portaldaclube


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas