Empresário é julgado por morte de caminhoneiro; testemunhas faltam imprimir publicado em: 12 / 01 / 2018

O empresário Flábio Silva de Sousa está sendo submetido a júri popular nesta sexta-feira(12), no Fórum Criminal de Teresina. Ele é acusado de matar o caminhoneiro Helvécio Maia dos Prazeres, 75 anos, no cruzamento das avenidas Dom Severino e Presidente Kennedy, na zona Leste de Teresina em maio de 2010.

O crime aconteceu 15 dias depois que o empresário perdeu o filho em um acidente de trânsito, que teria sido provocado supostamente por um caminhoneiro, que não era Helvécio.

O julgamento é presidido pela juíza Maria Zilnar da 2ª Vara Criminal e o conselho de sentença é formado por quatro homens e três mulheres. Foram arroladas cinco testemunhas de defesa e cinco de acusação, porém apenas uma compareceu.

A juíza expediu mandado de condução coercitiva para outra testemunha de acusação, porém o oficial de justiça não a encontrou no endereço indicado pelo Ministério Público. Ela será multada em um salário mínimo e pode ser presa por crime de desobediência.

No auditório, 40 pessoas vestidas de branco acompanham o julgamento em solidariedade ao acusado.

O promotor do caso, Régis Marinho, afirmou que pede a condenação por homicídio por motivo torpe e sem chance de defesa.

Já o advogado Eduardo Faustino, que defende o réu, alega que não vai negar autoria, mas tentar sensibilizar o júri afirmando que não foi motivo torpe, mas que foi movido por forte emoção em razão da dor que sentia pela perda do filho.

Flábio Silva de Sousa está presente no julgamento e permanece o tempo todo de cabeça baixa e manuseando um terço. Ele cumpre prisão domiciliar desde dezembro de 2012, depois de passar quase um ano preso em presídio e ter ficado foragido por mais um.

Cidadeverde.com

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas