Erro adia julgamento de réu do caso queimados que se espera há 18 anos imprimir publicado em: 22 / 08 / 2016

Promotor

Promotor Régis Marinho

O julgamento do empresário Abraão Rodrigues Viana Filho, suspeito de participar do bando de Correia Lima, foi adiado para o próximo dia 5 de setembro. O processo iria ser julgado hoje (22), pelo tribunal do júri, mas uma das juradas convocadas é servidora do Ministério Público e, por isso, está impedida de integrar o conselho. A informação chegou ao presidente da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri, juiz Antônio Noleto, somente no momento em que o julgamento iria começar. São 18 anos aguardando uma decisão.

“Quando o pedido de retirada chegou ao magistrado, o conselho já estava formado. Os demais jurados foram liberados e não houve como sortear outra pessoa, por isso foi adiado para o dia 5 de setembro. Mas todos saíram devidamente intimados e haverá um novo sorteio”, explicou o promotor Régis Marinho, responsável pela acusação.

Abraão é o último réu do Caso Queimados, ocorrido em 1998, acusado de integrar uma organização criminosa comandada pelo ex-coronel da PM/PI, José Viriato Correia Lima. Pelo crime, o policial foi condenado a 40 anos de prisão. Além dele, foram condenados também os policiais militares Raimundo Xavier da Silva e José Correia Braga Neto. Os outros sentenciados foram Domingos de Sousa e Evaldo Macedo Cavalcante Júnior.

Segundo o promotor Régis Marinho, o Caso Queimados ficou assim conhecido porque as duas vítimas – Hélio Araújo Silva e Einaldo Liberal Xavier Júnior – tiveram seus corpos queimados depois de serem sequestrados, amordaçados e executados com tiros na cabeça. Os cadáveres foram deixados na região da Taboca do Pau Ferrado.

O promotor disse que a motivação do crime seria um desfalque que Hélio e Einaldo teriam aplicado em uma loja de sociedade de Abraão e Correia Lima.

“O Hélio era gerente da loja e teria dado um desfalque de R$ 100 mil na loja, que era usada para lavagem de dinheiro do crime organizado e pistolagem na época. Eles então armaram um encontro e sequestraram e mataram as vítimas”, informou.

Abraão é o último a ser julgado porque esteve foragido de 1998 até 2012, quando foi localizado e preso no Rio de Janeiro. O julgamento está marcado para o próximo dia 5 e o MP informou que pedirá sua condenação como mandante do crime.

Cidadeverde.com


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

últimas