Estimativa da safra agrícola do Piauí caiu 53% entre 2015 e 2016 imprimir publicado em: 06 / 09 / 2016

safraA sétima estimativa de 2016 para a safra piauiense de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizou 1.430.383 toneladas, 53,1% inferior à obtida em 2015 (3.052.743 toneladas).  Com a queda, o índice que estima a participação do Estado na safra nacional reduziu de 2,1% para 0,8%. Os dados foram divulgados hoje (06) pela Coordenação de Agropecuária (COAGRO) do IBGE, tendo como referências o mês de julho.  As informações foram obtidas pelo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, que faz o acompanhamento mensal das safras dos principais produtos agrícola por intermédio de organizações a nível municipal e estadual.

A pesquisa traz estimativas para as safras algodão, amendoim, arroz, aveia, centeio, cevada, feijão, semente de girassol, mamona, milho, soja, sorgo, trigo e triticale. Dentre os produtos básicos na mesa do piauiense, o arroz foi o que teve a maior queda na estimativa de produção e de rendimento médio: -41,6% e -25,8%, respectivamente.

No ano passado, o IBGE estimou que o Piauí produziu 99.945 toneladas do grão, com um rendimento médio de 2.795 Kg por hectare. Na estimativa mais recente deste ano, a produção de arroz no Estado foi estimada em 58.337 toneladas, com um rendimento médio de apenas 969 kg por hectare plantado.  A própria área de cultivo do arroz no Piauí decresceu 17,1% em um ano.

Já a estimativa de produção de feijão teve queda de 34,6% em 2016, em relação a 2015. No ano passado, o IBGE estimou que o Piauí tenha produzido 47.531 toneladas do grão, e este ano estima que sejam produzidas 31.090 toneladas. Seguindo o mesmo padrão, houve queda na estimativa de rendimento médio na colheita do produto em solo piauiense: ano passado se colhia 254 Kg por hectare, mas em 2016 este número caiu para 184 kg por hectare, ou seja, reduziu 27,6% o rendimento. A área a ser colhida nas plantações de feijão do Estado também teve decréscimo, desta vez da ordem de 9,4%.

O padrão de redução da estimativa de produção também se verificou na cultura do milho em todo o Piauí. Se em 2015 o IBGE estimou que o Estado produziu 1.101.439 toneladas do grão, sendo 2.972 kg por hectare plantado, este ano a estimativa é que de que se produza apenas 687.104 toneladas, uma média de 1.651 kg por hectare. Observa-se, portanto, uma queda de 37,6% na estimativa de produção de milho em todo o Estado, e uma queda de 44,4% no rendimento médio desta colheita. Segundo o IBGE, o Piauí perdeu ainda 18,6% de sua área plantada na cultura do grão.

Por região

Entre as Grandes Regiões Brasileiras, o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 77,6 milhões de toneladas; Sul, 73,6 milhões de toneladas; Sudeste, 19,7 milhões de toneladas; Nordeste, 11,7 milhões de toneladas e Norte, 6,4 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, foi constatado incremento de 2,0% na Região Sudeste e decréscimos de 17,4% na Região Norte, de 29,8% na Região Nordeste, de 13,7% na Região Centro-Oeste e de 3,0% na Região Sul. Nessa avaliação para 2016, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 24,1%, seguido pelo Paraná (19,1%) e Rio Grande do Sul (16,6%), que, somados, representaram 59,8% do total nacional previsto.

Safra nacional

O IBGE estimou que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizou 189,0 milhões de toneladas, 9,8% inferior à obtida em 2015 (209,4 milhões de toneladas). Em termos absolutos são 20,4 milhões de toneladas a menos em relação à produção obtida na safra anterior. Na comparação com a avaliação de junho a queda é de 1,5%, uma redução de 2.865.107 toneladas. A área a ser colhida é praticamente a mesma do ano anterior (57,6 milhões de hectares), tendo em julho um aumento 0,1%, o que representa 82.580 hectares. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que, somados, representaram 92,5% da estimativa da produção e responderam por 87,5% da área a ser colhida.

portalodia.com


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas