EUA removem barreira a carne bovina ‘in natura’ brasileira imprimir publicado em: 28 / 07 / 2016

gado

Gado da raça Nelore em Colina, SP; EUA irão permitir a entrada de carne ‘in natura’ do Brasil

Brasil e Estados Unidos celebram nesta quinta-feira (28) em Washington um acordo que libera a entrada de carne bovina “in natura” do Brasil no mercado americano, pondo fim a uma negociação que se arrastava desde 1999.

O acordo será formalizado por uma troca de compromissos dos dois países. Com isso, os EUA passam a aceitar a entrada de carne brasileira de regiões onde o gado é vacinado contra a febre aftosa. Até agora, eles só aceitavam carne de Santa Catarina, Estado hoje livre da doença.

Como o acordo é recíproco, o Brasil passa a aceitar a carne dos EUA, apesar das ocorrências da doença da vaca louca em território norte-americano em anos recentes. Órgãos especializados dos dois países fizeram inspeções para liberação de frigoríficos.

O acordo é muito importante para o Brasil. O mercado americano são a vitrine mundial quando se trata de avaliar condições sanitárias. Agora, outros países que exigem carne de qualidade e pagam bem– poderão abrir portas para a carne brasileira.

EM ALTA

Receitas com carne brasileira voltarão a crescer em 2016

Exportações brasileiras totais de carne, em US$ bilhões

receita

Embora o acordo represente vantagem econômica para o Brasil, no curto prazo o ganho tende a ser limitado, porque os EUA impõem cotas para as exportações brasileiras, enquanto o Brasil não impõe limites para a entrada de carne americana.

Os americanos distribuem suas cotas de importação entre os vários países aptos a exportar para eles. No ano passado, por exemplo, foram 736,6 mil toneladas. A Austrália ficou com 418,2 mil e a Nova Zelândia, com 213,4 mil.

Argentina e Uruguai têm 20 mil cada um, enquanto o Japão fica com 200 toneladas. O restante, 64.805, é dividido entre os demais exportadores que não têm cota definida. É nessa fatia que o Brasil entra.

Folha


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Biocentro

últimas