Famílias acampam em terreno após serem despejadas por empresário imprimir publicado em: 17 / 11 / 2016

acampamentoCerca de 150 famílias foram despejadas de suas residências no bairro Catarina, zona sul de Teresina. A situação se arrasta desde o dia 25 de fevereiro deste ano, e após entrarem na Justiça e nada ser resolvido, os moradores resolveram acampar no local conhecido como “Terra Prometida”, situado na rua Panamá. Uma audiência está prevista para o final deste mês, ainda sem data definida.

Com barracos feitos de madeira e lona, as famílias se revezam desde o último sábado (12), como forma de reivindicar o direito de ter de volta as suas moradias. “Nós entramos na Justiça para que fosse feito uma perícia no local para dizer de quem era o terreno, e foi constatado que era da União e a União nos concedeu a documentação dizendo que as famílias que estavam no terreno, que deveriam continuar morando. Só que ele [o empresário] conseguiu um papel para tirar todas as famílias daqui”, contou Maria Benta, uma das moradoras.

Maria Benta

Maria Benta

Outra moradora e membro do Movimento de Moradia, Francisca das Chagas, afirmou que o despejo partiu de um empresário do ramo imobiliário, identificado por Cícero Linhares. “Todo dia por volta das 7h da manhã, ele [o empresário] vem aqui intimidar a gente, com ameaças, um dia quase bate no marido da Bia [Maria Benta]. Ele contratou seguranças particulares para nos vigiar e mandou fechar a rua e colocar correntes”, complementou.

Com duas filhas, sendo uma especial, Valdonia Mendes, que também acampa no local, ressaltou que é triste ver o descaso público. “Minha filha tem hidrocefalia, já fez 26 cirurgias, dá convulsões e é muito ruim ficar aqui, no calor, mas a gente só quer a nossa casinha”, lamentou. As famílias, que hoje vivem de favor ou de aluguel, destacam ainda que estão reivindicando apenas o direito de moradia e que já procuraram a prefeitura e o governo estadual para conseguirem um local para residir.

Outro lado

O empresário citado não foi localizado para comentar o assunto.

Por meio da assessoria de comunicação, a Prefeitura Municipal se manifestou dizendo que só pode intervir em casos de desapropriação ou cadastramento, quando a propriedade é municipal, em casos de propriedade privada, estadual ou federal, não compete à prefeitura.

O Governo do Piauí, também por meio da assessoria, afirmou que tomou conhecimento do caso por meio da imprensa.


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas