Fiscais sofrem ameaças durante trabalho de combate a furto d’água imprimir publicado em: 12 / 01 / 2016

aguaFiscais da Agespisa foram ameaçados de morte e tiveram que ser escoltados por policiais militares durante trabalho de combate ao furto de água na região de Picos. Ligações clandestinas são comuns no semiárido piauiense e prejudicam o abastecimento regular, deixando muitos moradores sem água. Somente no ano passado, foram descobertos mais de 60 desvios na tubulação geral da adutora de Poço de Marruá.

“Eles chegaram e perguntaram o que a gente estava fazendo. Então, contamos que estávamos fiscalizando  a adutora, retirando desvios e nos disseram que a gente não tinha nada a ver com aquilo ali e fizesse o favor de sair, se a gente não quisesse levar tiro de calibre 12”, disse José Vicente da Silva, auxiliar operacional da Agespisa.

A adutora de Poço de Marruá tem capacidade de 300 milhões de metros cúbicos de água e seria suficiente para abastecer as cidades de Simões, Curral Novo, Patos, Jacobina e o povoado Ingazeira, Zona Rural de Caridade do Piauí. Porém, muitas comunidades ainda sofrem com o desabastecimento d’água, provocado pela seca e também pelas ligações clandestinas. No trecho de 25 quilômetros entre as cidades de Caridade do Piauí e Simões, por exemplo, 12 desvios foram desativados pela Agespisa.

“Foi uma injustiça e um sofrimento. Amanhecia o dia e a gente não tinha água nem para fazer um café”, disse a agricultora, Maria de Lurdes Coêlho.”Muita gente teve que comprar água”, acrescenta a agricultora Janalbete Elizabete Rodrigues.

Durante a fiscalização, funcionários da Agespisa descobriram que parte da água desviada é usada em criatórios de peixes e na irrigação de fazendas. Além disso, existe a denúncia de envolvimento de motoristas cadastrados na operação Pipa. Alguns deles são acusados de abastecer veículos com água furtada.

Cidadeverde.com


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas