Juiz suspende audiência de acusado de matar prefeito no Piauí imprimir publicado em: 27 / 01 / 2017

forumO juiz Antônio Noleto acatou o pedido do Ministério Público  e suspendeu a audiência de instrução e julgamento de Cícero Godói da Silva, o “Cícero Branco” nesta sexta-feira (27). O pedido foi solicitado pelo promotor Régis Moraes Marinho, que representou o MP durante a audiência.

“A audiência foi suspensa por que muitas das testemunhas apresentadas  na denúncia já foram ouvidas, então eu preciso analisar o processo todo, que é muito volumoso. Além disso, foi a primeira vez que tive contato com ele, precisamos ver se há a necessidade de ouvir novamente as testemunhas. Também pedi a suspensão para que eu possa estudar com afinco todo esse processo, por que o caso é antigo e complexo, envolve muitos acusados, mas eu só tive contato com o processo hoje”, explica  o promotor Régis Marinho.

O promotor solicitou um período de cinco dias para analisar todo o processo. A previsão é que na próxima semana a audiência seja retomada.

Juiz nega adiamento e segue com audiência de acusado de matar prefeito no Piauí

A Primeira Vara do Júri de Teresina ouviu na manhã desta sexta-feira (27/01) o depoimento de instrução e julgamento de Cícero Godói da Silva, o “Cícero Branco”, denunciado sob acusação de ser o pistoleiro que no ano de 1996 matou a tiros o então prefeito eleito de Aroazes (a 219 quilômetros de Teresina), Manoel Portela de Carvalho. Logo na abertura da audiência, o juiz Antônio Noleto teve que chamar a polícia para conter os ânimos de parentes e amigos da vítima, que gritavam que o advogado de defesa estaria “defendendo bandido”. O advogado de defesa, Tiago Vale, pediu o adiamento da audiência, mas o juiz indeferiu o pedido.

O promotor de Justiça Régis Moraes Marinho acompanha o processo, que foi desmembrado do que apurou e condenou o ex-prefeito do município, Bernardone do Vale, a 15 anos de cadeia, como mandante do assassinato. Teria sido crime político.

Régis Morais deverá pedir a condenação de “Cícero Branco”, que, inclusive, teria sido reconhecido em acareação, como sendo o homem que esperou Manoel Portela nas proximidades de uma casa no bairro Parque Piauí, zona sul de Teresina, e que atirou nele.

O assassinato aconteceu no mês de dezembro, dias antes da posse de Manoel Portela, que, nas urnas derrotou o grupo político de Bernardone Vale, na época, delegado do 1º DP, em Teresina.

acusado

A confusão no fórum

Usando camisa com a foto de Manoel Portela e com a frase “20 anos de saudade”, cerca de 10 pessoas começaram a dizer palavrões contra o advogado de defesa Tiago Vale, sobrinho de Bernardone Vale. Gritavam que ele estava defendendo bandido. O advogado retrucou que estava defendendo o direito de uma pessoa ter um justo julgamento. “Advogado não defende bandido, defende o direito das pessoas. Direito que todos têm”. O bate boca só acabou com a chegada de policiais chamados para garantir a segurança na sala.

As testemunhas

Entre as testemunhas de acusação estava o delegado Francisco das Chagas Costa, o “Bareta”, que trabalhou nas investigações do caso.

PortalAZ


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas