Júri condena réu a 39 anos de prisão por morte de Emídio Reis imprimir publicado em: 20 / 04 / 2016

juri popularO réu José Gildásio de Brito foi condenado a 39 anos de prisão em regime fechado e mais 20 dias de multa pela morte do ex-vereador de São Julião, Emídio Reis, em 2013. O julgamento- que ocorreu no Fórum Helvídio Nunes de Barros, em Picos,  teve início ontem e só terminou por volta das 5h, desta quarta-feira (20).

José Gildásio responderá pelos crimes de homicídio, sequestro e ocultação e cadáver. Mais três suspeitos de participação na morte do ex-vereador devem sentar no banco dos réus ainda neste ano: o então vice-presidente de São Julião, Francimar Pereira, apontado como mandante do assassinato;  Antônio Sebastião de Sá e Valter Ricardo da Silva, apontado como executores. O crime teria contado ainda com a participação de Joaquim Pereira Neto, que teria contratado os pistoleiros para matar o político. O suposto agenciador morreu nesse ano em um acidente de moto.

O assistente de acusação Herval Ribeiro destaca que o julgamento foi justo, baseado em conjunto comprobatório.

“Os depoimentos escritos e gravados comprovam que ele planejou sequestro, homicídio e ainda ajudou a enterrar o Emídio vivo. O réu identificado como Valter demonstra com precisão de detalhes a efetiva participação de Gildásio. No dia 31 de janeiro de 2013, o Gildásio fez 63 ligações para um dos acusados, sendo que destas 19 foram completadas e têm relação com a morte de Emídio. Na casa dele também foi encontrado um soco inglês, cujas marcas foram compatíveis com as deixadas no corpo da vítima”, argumenta o representante do Ministério Público.

José Gildásio de Brito cumprirá pena na Penitenciaria Regional José de Deus Barros, em Picos.

Cidadeverde.com


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas