Justiça decreta prisão preventiva de dupla que matou policial imprimir publicado em: 25 / 03 / 2017

suspeitosA Justiça do Piauí transformou a prisão em flagrante em preventiva dos dois suspeitos de terem participado do assalto que terminou com a morte do major Mayron Moura Sales. As decisões do juiz Thiago Aleluia Ferreira, publicadas nessa quinta-feira (23), levaram em conta que os dois já têm passagens pela polícia, são considerados perigosos e ainda que, caso soltos, poderiam vir a cometer outros delitos.

 O comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar da capital foi assassinado na noite do dia 21 ao esperar pela filha em um ponto de ônibus, no bairro Todos os Santos, Zona Sudeste da capital. Ele levou um tiro no peito, chegou a ser socorrido, mas não resistiu ao ferimento e faleceu.

Iranilson Pereira do Santos foi preso poucas horas após a morte do major e confessou sua participação no latrocínio, roubo seguido de morte. Ele seria o piloto da moto no momento da abordagem. Já Wallisson Jhonatan Rodrigues se apresentou para a Polícia Civil e disse que atirou contra o oficial porque ele teria reagido. O filho da vítima, que estava presente no momento do crime, nega a reação do pai.

Ninguém da defesa dos dois suspeitos foi encontrado para comentar a decisão.

“Foram encontrados antecedentes criminais pela prática do delito de furto qualificado, pelo qual o autuado passou por audiência de custódia dia 05/07/2016, cuja decisão judicial foi a utilização de tornozeleira eletrônica”, diz trecho da decisão sobre Iranilson. “Informou que responde a outro processo do ano de 2017, acusado de roubo majorado”, escreveu o magistrado sobre Wallisson.

Para o delegado do caso, Francisco Costa, o Baretta, a investigação da morte do major Mayron está praticamente concluída. “Com as prisões e as confissões, podemos dar o caso como solucionado. Vamos colher todas as informações e enviar o inquérito para a Justiça”, disse.

O major Mayron Moura Soares era comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar de Teresina. Seu corpo foi levado para Valença do Piauí, Sul do estado, onde foi velado e enterrado por familiares e amigos da corporação.

Filho do major nega que pai reagiu
O delegado Baretta informou que Mayron Moura estava na companhia do filho e, segundo relatos dele, não reagiu ao crime. O policial saiu de casa para esperar a filha no ponto de ônibus no bairro Todos os Santos, Zona Sudeste da capital.

“O filho dele disse que estavam dentro do carro e o major sugeriu que saíssem do veículo porque estava fazendo calor. O major desceu e ficou mexendo no celular e foi quando eles (assaltantes) fizeram a volta na rua e o surpreenderam. Não houve tempo pra reação. Eles andam na rua atrás de pessoas em situação vulnerável para dar o bote”, falou o delegado.

Portaldaclube


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas