Mari Gonzalez ‘seca’ 6kg e exibe nova silhueta com look ousado imprimir publicado em: 15 / 02 / 2017

mari gonzalezNascida na Bahia, Mari Gonzalez, a Baianinha, uma das apresentadora do programa “Pânico”, até hoje só conheceu a folia de Salvador. Aos 22 anos, já passou vários carnavais entre blocos e trios que fazem a festa em sua terra natal. Em 2017, porém, será diferente. Pela primeira vez ela irá desfilar no sambódromo do Anhembi, em São Paulo, como destaque da Rosas de Ouro.

“Foi bem em cima da hora. Veio o convite da Rosas de Ouro, vim conhecer a escola, me apaixonei por todos e decidi desfilar. Tudo na minha vida é assim, na loucura. Me surpreendi, não sabia que ia gostar tanto”, conta ela, que virá em um dos carros da agremiação e posou para um ensaio exclusivo no barracão da escola.

‘Lutei para ficar magra’

E Mari vai chegar ao sambódromo em sua melhor forma. Ela perdeu seis quilos e saiu de 66 para 60kg. “Sempre tive vontade de dar uma secada, mas não conseguia. Difícil uma mulher que tem porte de gostosa ficar magra, eu sempre tive bundão e pernão. Lutei para conseguir (ficar magra). Agora estou com o corpo que quero, meu melhor corpo. Sobre isso estou tranquila”, afirma.

mari gonzalezPara emagrecer, Mari pegou firme na dieta e frequentou aulas de balé fitness e de mahamudra. Na última modalidade, conta com o apoio do namorado, o modelo e ex-BBB Jonas Sulzbach, um dos maiores divulgadores da prática que mistura treinamento funcional, crossfit e ioga.

“Ele fala que é graças ao mahamudra que estou com esse corpo (risos). Mas é fato que me ajudou muito, principalmente o fôlego. Você começa a adquirir força onde acha que não tem. Até isso me ajuda, afinal, para sambar de salto é preciso ter resistência. Me ajudou muito esse treino diferente. Eu não tinha resistência, se me botasse para correr, eu morria. Hoje, não. E estou mais durinha também”, explica.

Ela ainda não sabe se Jonas a acompanhará na hora do desfile. “Ele não decidiu se vai sair com camisa da escola do lado do carro alegórico ou se estará no camarote dando tchau”.

Aulas de samba
Se o corpo está com tudo em cima, o samba no pé ainda está em processo de aprimoramento. “Sou baiana, né? Já venho com molejo de dentro. Mas agora, com uma  professora de samba, vejo que tenho muito a aprender. Tomei um susto com isso (risos). Aos poucos estou aprendendo e ano que vem quero vir no chão”, avisa ela, que desfilará com um modelito que remete à Bahia. “Não é uma roupa tão pelada, é uma saia curtinha, um top… Cada um vem com um santo, uma religião, e a minha lembra a Bahia”.

Ego


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Biocentro

últimas