Temer afirma que oposição quer enfraquecer o governo imprimir publicado em: 04 / 05 / 2018

TemerO presidente Michel Temer concedeu entrevista à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), exibida nesta sexta-feira (2) e afirmou que uma “campanha oposicionista” tenta enfraquecer o governo, mas, segundo ele, não tem “a menor possibilidade de prosperar”.

Temer fez a afirmação ao responder a uma pergunta sobre a insistência da oposição de cobrar a apresentação de uma terceira denúncia contra ele pela Procuradoria Geral da República (PGR).

De acordo com o G1, o presidente é investigado no chamado inquérito dos portos, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). O inquérito apura se ele recebeu propina em troca de decreto para favorecer empresas portuárias. O presidente nega qualquer irregularidade. “Ela [a terceira denúncia] é uma mera hipótese. Fala-se isso para tentar desvalorizar o governo. Ela não tem a menor possibilidade de prosperar. Eu diria que é mais pífia, de menor dimensão até do que as denúncias anteriores”, disse Temer.

O presidente lembrou que, em 2017, a Câmara dos Deputados decidiu barrar o avanço de duas denúncias apresentadas contra ele pela Procuradoria Geral da República. “As duas denúncias iniciais eram denúncias pífias. E tão pífias que o Congresso Nacional, a Câmara dos Deputados, não teve a menor dúvida em rejeitá-las”, declarou.

Na pergunta, uma das entrevistadoras questionou sobre a possibilidade de se afastar um presidente da República a poucos meses da eleição, em outubro. “Não tenho nenhuma preocupação. Há apenas uma campanha deliberada para dizer: ‘Ah, pode vir uma terceira denúncia etc.’. Isso é para tentar enfraquecer o governo. Se nós resistimos até hoje, imagine se não pode resistir mais quatro, cinco, seis meses”, completou.

Temer declarou que a discussão sobre a conveniência de tratar da deposição de um presidente poucos antes meses da eleição depende do delito praticado. Para ele, não há essa possibilidade no momento. “Essa possibilidade, se eu fosse dar uma nota, daria nota zero”, declarou.

A entrevista ainda abordou o pedido recente de Temer para que a Polícia Federal investigue eventual vazamento de informações em relação ao inquérito dos portos e questionou se isso não poderia interpretado como interferência na Polícia Federal. “Pelo contrário. O que a Polícia Federal não pode fazer é intervir por meio de vazamentos. Ora, o processo é sigiloso,” disse.

Em pronunciamento no último dia 27, o presidente afirmou que notícias publicadas sobre o inquérito eram resultado de “vazamentos irresponsáveis”. Para Temer, não podem ocorrer vazamentos de processos sigilosos na PF ou em qualquer outra instituição.

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas