Moradores da Zona Sudeste da capital são obrigados a comprar água imprimir publicado em: 22 / 01 / 2016

Os moradores do residencial Padre Pedro Bauzi e de algumas áreas de invasão no bairro Todos os Santos, na Zona Sudeste de Teresina, convivem há vários dias com a falta de água e de energia elétrica. Sem opção, as pessoas que residem no local são obrigadas a comprar água e a viver com os constantes transtornos causados.

Na casa do trabalhador autônomo Francisco Vidal de Sousa, a dificuldade para conseguir água já dura mais de um ano. A pequena casa de taipa onde ele vive com dois filhos também sofre com a carência de energia de elétrica e ele relata que as condições na área são totalmente precárias.

“A nossa vida aqui é uma vida precária, porque o problema de água e luz já vem lá do conjunto Pedro Bauzi. Nós dependemos do conjunto, porque aqui dentro da vila nós não temos. Vinha umas encanações de água de lá para cá, mas agora está sem água porque queimou uma peça lá em cima”, contou o morador.

A dona de casa Linda Lílian é obrigada a carregar um recipiente de 20 litros para poder ter água em casa. A mulher, que teve bebê há poucos dias, repete a rotina todos os dias.

“Isso acontece desde o primeiro dia que eu cheguei da maternidade porque não tem água. Não sei qual a explicação que eles têm para dar, porque toda vez tem uma coisa para falar e não tem solução. Na hora que eu acordo eu faço o café para as meninas e já começo a pegar água”, disse.

O segurança Raimundo de Sousa Santos precisa carregar um carrinho de mão lotado de recipientes com água para a família de oito pessoas poder tomar banho, lavar louça e cozinhar. Ele faz o mesmo percurso todos os dias em busca do líquido que falta há muito tempo no bairro.

“A distância é mais de um quilômetro que eu percorro com esse carrinho. Vai servir para lavar a louça, banhar, fazer comida e tem que juntar um pouquinho também porque a gente não aguenta o dia todinho pegando água devido à distância”, falou o morador indignado com a situação.

Procurada pela reportagem, a Agespisa informou que no fim do ano passado perfurou um poço na área do residencial Pedro Balzi para reforçar o abastecimento nessa região, mas ele ainda não entrou em funcionamento porque falta concluir a instalação elétrica. Já a Eletrobrás disse que vai encaminhar uma equipe para vistoriar a rede de distribuição no bairro.

Portaldaclube


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas