Quinta, 23 de maio de 2019
86 98179 0860
Geral

14/03/2019 às 08h15

Redação

Teresina / PI

MP investiga se convênio com o Governo Federal foi fraudado
Operação Poço Sem Fundo: desvios chegam a cerca de R$ 3 mi com as fraudes em licitações em Brejo do Piauí. Vereador foragido negocia apresentação.
MP investiga se convênio com o Governo Federal foi fraudado

O Ministério Público Estadual, por meio do Gaeco (Grupo de Atenção Especial ao Crime Organizado) está investigando se por acaso o convênio firmado entre a Prefeitura de Brejo do Piauí e o Governo Federal para a construção dos poços artesianos na zona rural da cidade teria sido fraudado. A informação foi repassada pelo promotor José William Pereira Luz, promotor titular em Canto do Buriti, que também atende a Brejo do Piauí. A ação faz parte da Operação Poço Sem Fundo, deflagrada nesta quarta (13), que investiga fraudes em licitações e desvio de recursos em seis municípios piauienses.

De acordo como representante do Ministério Público, o convênio com a União foi firmado ainda na gestão do ex-prefeito de Brejo do Piauí, Edison Ribeiro, que tinha como secretária de administração Márcia Aparecida Pereira da Cruz. Márcia sucedeu Edison na Prefeitura de Brejo entre 2013 e 2016 e, nesse período, fez contratos de manutenção dos poços que já haviam sido cavados através do convênio com a União. Foi neste período que, segundo o promotor, começaram os desvios de verba.

“Ainda se está analisando se o próprio contrato com o Governo Federal não foi fraudado. Não fraudado no sentido de desvio dos recursos, até porque os poços foram cavados, mas se não houve superfaturamento”, explicou o promotor José William. O representante ministerial acrescenta ainda que nos contratos de manutenção de poços, firmados pela ex-prefeita Márcia Aparecida com as empresas investigadas, foram detectadas pelo menos duas irregularidades: fraude em licitações e superfaturamento. “Há indícios também de que os serviços sequer foram prestados, porque houve a emissão de notas frias”, diz.

Além da ex-prefeita de Brejo do Piauí, Márcia Aparecida, também estão presas mais quatro pessoas, dentre elas Carlos Alberto Figueiredo, pregoeiro municipal e apontado como o operador do sistema; Emídio Pereira da Cruz, chefe de gabinete da ex-prefeita; e Adcarliton Valente Barreto e Valdirene da Silva Pinheiro, proprietários da empresa VSP Construtora, um dos alvos da operação.

O vereador de Brejo do Piauí e empresário Fabiano Feitosa Lira está foragido, mas sua defesa negocia com o Gaeco sua apresentação voluntária, que deve acontecer ainda nesta quinta-feira (14).

FONTE: Portal O Dia

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium