Segunda, 17 de dezembro de 2018
86 98179 0860
Geral

27/11/2018 às 14h25

Redação

Teresina / PI

Empresa pede falência e mais de 100 turmas podem ficar sem formatura
A empresa fez o anúncio em seu perfil no Instagram e disse que devido à crise financeira não tem condições de arcar com as despesas das 108 turmas que mantém contratados assinados.
Empresa pede falência e mais de 100 turmas podem ficar sem formatura
Estudantes de informática estavam em contagem regressiva para festa — Foto: Gildene Costa

Mais de 100 turmas de universitários correm o risco de ficar sem as solenidades de formatura no Piauí. Isso porque a empresa contratada para organizar as festividades anunciou na segunda-feira (26) que pediu falência judicial. O anúncio deixou muitos estudantes apreensivos e com medo de não terem a tão sonhada festa de formatura.

A empresa fez o anúncio em seu perfil no Instagram e disse que devido à crise financeira não tem condições de arcar com as despesas das 108 turmas que mantém contratados assinados.

O advogado Menezes chaves representante legal da empresa informou que somente os eventos agendados até o dia 8 de dezembro serão realizados e os demais irão depender da decisão da justiça.

“Os contratos da empresa passaram por auditoria, onde foi constatado que mais de 90% dos contratos estão inadimplentes. Desta forma, houve quebra de contrato por parte dos estudantes e eles não podem requerer que a empresa cumpra a parte dela, pois eles já descumpriram a parte deles que foram os pagamentos”, explicou o advogado.

Menezes diz ainda que o Código Civil não obriga a empresa a cumprir se a outra parte já descumpriu. No entanto, ainda há uma previsão para a realização dos eventos, caso o juiz decida por uma concordata ou pela uma recuperação judicial.

“O magistrado é quem vai decidir se aceita o pedido de falência e indeniza alguém, mas para que isso aconteça é necessário que alunos, funcionários e fornecedores enviem um email informando seus créditos. Nós temos o nosso levantamento, porém é necessário este procedimento para que o juiz se posicione”, destacou Menezes.

Menezes tenta acalmar os estudantes afirmando que a empresa agiu com responsabilidade fazendo o pedido de falência quando ainda possui bens que possam ser usados no ressarcimento.

“A empresa foi mal gerida porque manteve padrões de festas mesmos quando turmas não cumpriam com contratos. E o resultado disso é esta situação. Agora, é esperar o parecer da justiça, pois fizemos isso quando a empresa ainda tem alguns bens, se o pedido tivesse sido feito só daqui a seis meses haveria um risco muito grande não arcar com nenhuma despesa”, justificou.

Medo e apreensão

Patrícia Ferreira é presidente de comissão de formatura de uma turma de ciências contábeis de uma faculdade particular em Teresina e não escode o medo de ficar a tão sonhada formatura. Assim como ela, outros alunos vivem a incerteza e a revoltar de investir numa empresa que, talvez, não terá condições de cumprir com o combinado.

“É um sonho. Viver aquele momento é tudo que nós queríamos, mas não temos a certeza se no próximo ano vamos realizá-lo.

A estudante Gildene Costa, estudante do 9º do curso de Informática, vive o mesmo drama e lamenta não ter condições de agir. “ Infelizmente, a gente não tem muito o que fazer porque temos que esperar pela decisão da justiça, mas é muito triste ver o sonho da festa de formatura ficando cada vez mais longe, já que se a empresa não arcar com nossa festa, não teremos condições de organizar uma festa faltando apenas seis meses”, lamentou.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium