Operações revelam furtos de energia em empresas e casas de luxo imprimir publicado em: 06 / 08 / 2017

Firmado ainda em 2016, um convênio entre a Eletrobrás e a Polícia Civil do Piauí tem revelado diversos casos de furto de energia praticados por pessoas de alto poder aquisitivo e grandes empresas. O famoso “gato de energia”, prática comumente atribuída a pessoas que moram em comunidades pobres e favelas, gera prejuízos milionários à empresa e ao Estado, apesar de, na opinião do delegado Laércio Evangelista, ainda ser considerado por muitos um “crime menor”.

O delegado Laércio, do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) foi destacado para lidar com os casos de furto de energia. Segundo ele, o mais recente foi descoberto na última quinta-feira (03). A gerente da fábrica de cachaça Raízes Amargas, Suzana Lins Maranhão, filha do dono da fábrica, foi presa por furto qualificado.

Os policiais e técnicos da Eletrobrás descobriram uma fraude no medidor de energia do local. O fato de haver uma adulteração no medidor torna o crime mais grave, e não cabe o aditamento de fiança. “Estamos atuando em empresas grandes e por todo o estado”, comenta o delegado Laércio.

Renan de Sousa Carvalho, gerente de fiscalização de operação e engenharia da medição da Eletrobrás, afirma que cerca de 75 mil unidades consumidoras foram fiscalizadas apenas em 2017, e que foram constatadas irregularidades em mais de 40 mil delas. O prejuízo causado por esses crimes atinge a marca de R$ 120 milhões por ano à Eletrobrás, e cerca de R$ 25 milhões deixaram de ir aos cofres públicos por meio do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Somente em 2017, mais de 60 casos de fraudes foram descobertos pelo Greco. Em cerca de metade dos casos são flagrados medidores com indícios de adulteração. A manipulação do equipamento demanda um conhecimento técnico mais avançado do que para fazer desvio de energia simples, e isso gera um agravante que impede o aditamento de fiança.

Segundo Renan, os valores que grandes residências deixam de pagar com furtos de energia dificilmente são menores que R$ 10 mil. “Já tivemos casos de R$ 30 mil, R$ 40 mil. As pessoas argumentam que estão fazendo isso porque a tarifa é cara, mas é um crime como outro qualquer”, disse. 

O delegado Laércio Evangelista comentou que é comum as pessoas acharem que o furto de energia é como um crime sem gravidade. “Há essa inversão de valores. As pessoas, principalmente de alto padrão, acham que é um crime simples, têm aquela sensação de impunidade e acabam incidindo nessa prática”, disse.

Há ainda casos em que técnicos da Eletrobrás foram ameaçados por moradores indignados com a fiscalização. “A Polícia Civil tem dado apoio nesses casos, mas isso tem ficado comum”, comenta o delegado Laercio. Em junho, na cidade de Esperantina, um policial militar foi preso após ameaçar uma equipe da Eletrobrás.

Repercussão dos crimes

E a conta das fraudes não fica só para a Eletrobrás e o Estado, mas também para a população. O gerente de fiscalização da Eletrobrás, Renan Carvalho relembra o caso de um hotel, localizado na zona Leste de Teresina, onde foram descobertos mais de 100 aparelhos de ar condicionado funcionando sem passar pelo medidor de energia. “Um hotel com a carga que ele tem lá deveria receber um fornecimento exclusivo em média tensão, e acaba retirando da baixa tensão uma carga muito alta. Isso repercute nos vizinhos, que sentem a qualidade da energia não adequada. Prejudica também a vizinhança”, disse.

Há ainda a concorrência desleal que estes estabelecimentos praticam. A economia causada pelo furto incide diretamente no preço dos produtos e causam vantagem indevida. “Imagine um supermercado usufruindo de furto de energia. O mercadinho honesto vai acabar tendo prejuízo e até fechando, porque não vai ter como fazer concorrência”, comenta Renan Carvalho. “A sociedade como um todo perde”, conclui.

portalodia.com


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas