PMDB escolhe Marcelo Castro para disputar presidência da Câmara imprimir publicado em: 12 / 07 / 2016

Marcelo CastroA bancada do PMDB decidiu ter candidatura própria à presidência da Câmara e o deputado Marcelo Castro (PI) foi o nome escolhido em votação realizada na manhã desta terça-feira (12) pela bancada do partido.

Castro foi escolhido com 28 votos, contra 18 votos de Osmar Serraglio (PR), em disputa interna que foi para o segundo turno.

O lançamento da candidatura de Castro representa mais uma divisão na eleição da Câmara na base do presidente interino, Michel Temer (PMDB), e um racha com o chamado “centrão”, bloco informal de 13 partidos da base, como PSD, PP, PR e PTB.

Apesar de o centrão possuir ao menos seis candidaturas formalizadas, o apoio do PMDB era visto como importante para conseguir eleger o deputado apontado como favorito, Rogério Rosso (PSD-DF). Lideranças do grupo partidário estavam trabalhando para reduzir o número de candidatos e, assim, favorecer Rosso.

Apoio do PT

Contribuiu para a vitória de Castro o fato de ele poder agregar votos do PT e de partidos da antiga base de Dilma Rousseff, já que o deputado votou contra o processo de impeachment da presidente afastada. Castro foi ministro da Saúde no governo Dilma.

Na segunda-feira (11), a bancada do PT havia decidido não apoiar candidatos que votaram a favor do impeachment. A eleição para a presidência da Câmara ocorre com voto secreto.

Questionado se irá pedir o apoio do PT, Castro respondeu que irá “pedir o apoio dos 512 deputados”, mas que poderá contar com o apoio da oposição. “Não existe nenhum acordo com ninguém, eu tenho telefonado para todos indistintamente. É evidente que quem quer ser candidato tem que se articular porque são 28 partidos. Por isso pedi que todos trabalhem incansavelmente.”

Participaram da eleição interna no PMDB, além de Castro e Serraglio, os deputados Carlos Marun (MS) e Fábio Ramalho (MG). Com a decisão da bancada, Ramalho, que havia registrado sua candidatura, deverá formalizar sua desistência.

O PMDB possui a maior bancada da Câmara, com 66 deputados, e era visto como o partido que poderia decidir a disputa entre os diversos candidatos já apresentados de partidos da base de Temer.

Com a candidatura própria, o partido tenta se aproveitar da dispersão dos votos do “centrão” para conseguir permanecer no comando da Câmara, onde esteve até o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do mandato, em maio, por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).

Foi a renúncia de Cunha ao cargo, na última semana, que levou à realização de novas eleições.

Rogério Rosso chegou a classificar o resultado da disputa como “imprevisível” por causa do número de candidatos. Onze deputados já haviam formalizado a candidatura até a manhã desta terça, sendo apenas uma deputada, Luiza Erundina (PSOL-SP), de partido de oposição ao governo interino. (*Com Estadão Conteúdo)


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

últimas