Polícia deflagra operação contra quadrilha formada por crackers no PI imprimir publicado em: 23 / 11 / 2016

cartoesPoliciais do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) deflagraram hoje (23) a Operação Phishers, cujo objetivo é apuração de crimes de furto mediante fraude, por meio de internet. O alvo da operação é uma organização criminosa formada por pessoas com grandes conhecimentos em informática e que usam estes conhecimentos para práticas delituosas, os chamados “crackers”.

Ao todo, estão sendo cumpridos nove mandados de busca e apreensão e de prisão temporária, sendo sete no Piauí e dois no Ceará. As ordens judiciais foram expedidos pelo Juiz Thiago Aleluia Ferreira de Oliveira, da Central de Inquéritos de Teresina – PI. Até o momento, quatro pessoas foram presas. A operação conta com o apoio da Polinter e da Polícia Civil do Estado do Ceará.

De acordo com a Polícia Civil, o nome da operação veio do termo “Phishing”, uma forma de fraude em que o atacante tenta apreender informações (credenciais de login ou informações de conta) por meio de e-mail ou mensagens instantâneas, ou outros canais de comunicação. Normalmente, a vítima recebe uma mensagem que parece ter sido enviada por contato ou organização conhecida, constituindo uma armadilha. Os phishers utilizam redes sociais e outras fontes para reunir informações básicas sobre as vítimas.

De acordo com o delegado Carlos César, do Grego, a quadrilha trabalhava usando armadilhas enviadas por e-mails para obter acesso a contas bancárias de pessoas ou empresas. Os e-mails enviados tinham conteúdo que ludibriavam as vítimas, fazendo acreditar se tratar de mensagens enviadas por contato ou organização conhecida , e funcionavam como uma espécie de isca. O nome da operação, Phishing, deriva do termo em inglês “fishing”, que quer dizer “pescaria”.

Após ter o acesso à conta, os criminosos transferiam o dinheiro para contas emprestadas de terceiros. “Eles usavam contas emprestadas, para não serem rastreados. Chegavam a ficar com o cartão dessas pessoas. Então sacavam o dinheiro roubado e entregavam uma pequena parte para o dono da conta.”, explicou o delegado Carlos César. Segundo ele, alguma dessas pessoas podem ser presas pela operação. “Nosso foco hoje está nas pessoas que realmente cometiam o crime, nos ‘cabeças'”, disse o delegado.

A operação continua em andamento. O delegado Carlos César informou que o prejuízo causado pela quadrilha ainda será contabilizado, e que novas prisões podem acontecer ainda hoje. A quadrilha também atuava na revenda de veículos em Teresina, vindos do Ceará, com restrições judiciais.

portalodia.com


PDF pagePrint page

PARTICIPE

0 comentário Comente agora!

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

últimas