Repórter da Globo foi “expulso” após ajudar a promover Olinda imprimir publicado em: 03 / 02 / 2017

francisco joseCelebrando 40 anos de trabalho na Globo, o repórter Francisco José está lançando um livro no qual rememora as suas principais reportagens e faz algumas observações sobre o seu trabalho.

Baseado em Recife, Francisco José se projetou, inicialmente, como a cara do Nordeste no noticiário nacional da Globo. Fez reportagens marcantes sobre a seca e a miséria na região. Cobriu a Guerra das Malvinas, em 1982, e ficou famoso ao se tornar refém em um sequestro, em 1987.

Em sua longa trajetória, também houve espaço para reportagens mais leves ou amenas. Foi um dos primeiros a mostrar as belezas de Fernando de Noronha e, não menos importante, ajudou a promover o Carnaval de Olinda e Recife.

É sobre o seu envolvimento com as festas de rua de Olinda uma das passagens mais interessantes de “40 Anos no Ar – a jornada de um repórter pelos cinco continentes” (Globo Livros, 248 págs., R$ 32). Francisco José conta que, na década de 70, fazia entradas diárias de três minutos no “Jornal Nacional” durante os dias de Carnaval,

“A cada ano, aumentava o número de pessoas nas ruas e ladeiras de Olinda. Não havia mais espaço para os blocos passarem. Até que um morador chamou a minha atenção”, escreve o repórter.

— Chico, tu não estás percebendo que está acabando com o Carnaval de Olinda! Os clubes não conseguem mais desfilar. Os músicos que seguem os blocos não podem tocar. Cada ano aumenta a multidão. Além do mais, a cidade não tem estrutura para receber tanta gente. Todo mundo fazendo xixi pelas ladeiras. Cada vez que a televisão mostra o Carnaval daqui, no ano seguinte aumenta a multidão. Vai fazer reportagem de Carnaval em outro lugar.

Após reproduzir este comentário, Francisco José escreve: “Ele tinha razão. O desabafo foi uma lição. Desde que fui ‘expulso’ de Olinda, passei a centralizar minha participação na cobertura do Carnaval do Recife.”

livroAo longo do livro, o jornalista rememora também várias situações de risco em que se envolveu – tantos em reportagens policiais quanto em aventuras escalando vulcões ou mergulhando em mares mais ou menos profundos.

“A segurança da Globo tem um lema: nenhuma reportagem vale uma vida”, escreve. “Eu tenho outro lema: as reportagens com risco de vida são as mais atraentes”. Para quem gosta, o repórter-herói dedica boas páginas aos seus momentos de Indiana Jones.

Francisco José afirma contabilizar mais de 2 mil reportagens em seus 40 anos de Globo. As suas maiores lições a quem está começando é ser original e querer aprender sempre. “Estou tentando aprender até hoje”, diz. “Cheguei à conclusão que deveria ser apenas Chico José, sem imitar ninguém, nem mesmo os mais consagrados profissionais da TV. E manter sempre o meu sotaque”. Fica a dica.


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas