Rio 2016 enfrenta atrasos em obras, falta de voluntários e cortes imprimir publicado em: 17 / 01 / 2016

rio2016A vinda do Comitê Olímpico Internacional ao Rio de Janeiro para a reunião de revisão de projetos, na semana passada, coincidiu com uma série de problemas em relação às Olimpíadas que começam daqui a 201 dias, 5 de agosto. Desde obras paradas, passando por falta de voluntários e o processo de corte de custos do Comitê Rio 2016, entidade organizadora dos Jogos.

A principal questão nas obras é em relação à reta final da construção do Centro de Tênis e da reforma do Centro de Hipismo, que estão paradas. O imbróglio é entre a Prefeitura do Rio e a construtora Ibeg. No tênis, a empresa lidera o consórcio ITD com Tangram e Damiani, e no hipismo opera sozinha. Na última quarta-feira, a Prefeitura anunciou o rompimento de contrato na obra do tênis pelo não cumprimento dos prazos e cláusulas contratuais, além de multar o consórcio em R$ 11 milhões. No dia seguinte, o Município suspendeu a multa ao consórcio e estipulou prazo de cinco dias para a defesa da empresa.

As decisões aconteceram após uma semana de protestos de operários da obra que foram demitidos sem que o consórcio pagasse as rescisões. Houve manifestações em frente ao Parque Olímpico e o galpão da fiscalização do Centro de Tênis acabou incendiado. A Prefeitura assumiu o pagamento aos ex-operários, e Eduardo Paes acusou a Ibeg de ter feito “chantagem”. A Ibeg já havia sido notificada pela Prefeitura por atraso na obra no Centro de Hipismo.

A construtora entrou com duas ações na Justiça. Uma liminar para não ser afastada da obra do hipismo, e com outra para que a Prefeitura apresentasse os projetos básicos das duas frentes de trabalho em 24 horas. Segundo a Ibeg, a demora para apresentação dos projetos básicos e o atraso nos repasses dos recursos comprometeram os trabalhos. Em uma planilha da Riourbe, no entanto, verifica-se que 30 das 33 parcelas foram repassadas à Ibeg antes da data do vencimento das faturas.

O Centro de Tênis do Parque Olímpico está 90% concluído. Já consumiu 149,6 milhões de dinheiro do governo federal e tem custo final estimado em R$ 175,4 milhões, sem contar os R$ 36 milhões de aditivos pela inflação e pela mudança de projeto, que elevaram o custo final para R$ 211,4 milhões. Já o Centro de Hipismo tem previsão de custo de R$ 157,1 milhões, também com recursos do governo federal e execução da Prefeitura. As duas instalações já receberam evento-teste e deveriam ter sido concluídas até o final do ano passado.

rio2016

À espera da energia temporária

Na questão da energia temporária, falta a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro aprovar a isenção de ICMS para a Light, no valor de R$ 160 milhões, para a instalação de geradores nas áreas de competição de Deodoro, Maracanã e Copacabana. Só dessa forma o governo estadual, em grave crise financeira, poderia assumir a responsabilidade. Coube ao prefeito Eduardo Paes, do mesmo partido do presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), garantir ao COI a aprovação da isenção na volta do recesso dos deputados estaduais, em fevereiro.

Na região da Barra da Tijuca, a principal dos Jogos, está definido que o trabalho será feito pela Tecnogera, com um custo de R$ 290 milhões orçados pelo governo federal. A escocesa Aggreko, líder mundial no fornecimento de energia temporária, e que já atuou em nove edições dos Jogos Olímpicos, se retirou da concorrência.

Faltam voluntários

As dificuldades também estão nas cerimônias de abertura e encerramento, no Maracanã. O Comitê Rio 2016 conseguiu selecionar apenas 3.000 dos 12.000 voluntários que precisa nas audições no fim do ano passado. A campanha para atrair voluntários começou em maio do ano passado, e mesmo prorrogada não atraiu gente suficiente que precisa ter habilidades como dança, acrobacia, skate, patinação, malabares ou grafite, entre outros. Uma nova campanha será lançada.

globoesporte.com


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas