Seduc e Sejus entregam 24 mil livros para o sistema prisional do PI imprimir publicado em: 30 / 01 / 2016

livrosAs secretarias de Estado da Educação e da Justiça vão entregar 24 mil livros didáticos ao sistema prisional, adquiridos por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A solenidade de entrega dos livros será na Escola Penitenciária, em Teresina, nesta segunda-feira (1º), às 11h.

A doação dos livros é fruto de parceria entre as duas pastas e visa ao desenvolvimento de ações e projetos que promovam a ressocialização através da educação nos presídios do Estado. Os livros que serão entregues envolvem áreas do conhecimento humano como história, geografia, português, biologia, matemática, filosofia, inglês, espanhol, química e física.

Segundo a secretária de Estado da Educação, Rejane Dias, a ideia é estruturar as bibliotecas nos presídios do Estado e incentivar a leitura, qualificando e ajudando os detentos a se inserirem no mercado de trabalho ao saírem. “É mais um grande passo para ampliação do acesso ao ensino de qualidade e para despertar o interesse pelo estudo, possibilitando novas oportunidades de vida dentro e fora dos presídios”, declarou.

No evento, também será realizada a aula inaugural do curso Operador de Computadores, promovido por meio do Pronatec Justiça, desenvolvido pelas secretarias de Educação e de Justiça e voltado para servidores e familiares, ex-detentos, detentos e seus familiares.

O secretário de Justiça, Daniel Oliveira Valente, afirma que “o Pronatec Justiça é extremamente importante, sobretudo por fomentar a cidadania e fortalecer a ressocialização, trazendo a família para fazer parte desse processo”.

Educação fortalece processo de ressocialização
O desenvolvimento de atividades educacionais no sistema prisional está previsto na Lei de Execução Penal e busca dar suporte para que as pessoas privadas de liberdade possam se ressocializar, ou seja, se reintegrar de forma adequada à sociedade.

“Ressocializar significa construir caminhos que possibilitem a mudança da pessoa que, estando privada de sua liberdade por ter cometido um crime, um dia retornará à sociedade, após cumprir sua pena. Garantir acesso à educação e ao trabalho é combater a criminalidade”, pontua o secretário de Justiça, Daniel Oliveira.

No Piauí, a Secretaria de Justiça, junto com a Secretaria de Educação e outros órgãos, tem promovido ações e executado projetos de educação que criem oportunidades para que os presos possam estudar e ter uma perspectiva ao saírem da prisão.

Um desses projetos é o Leitura Livre, que consiste na realização de oficinas de leitura onde os detentos leem vários livros, apresentam trabalhos sobre as obras e ainda têm a chance de redução da pena, já que a Lei de Execução Penal garante o benefício para quem estuda e trabalha na prisão.

A Secretária de Educação, Rejane Dias, ressalta que “vamos trabalhar juntos com a Sejus para proporcionar aos detentos a continuidade dos estudos e a profissionalização, pois tudo isso é uma forma de ressocializá-los”.

Em 2015, o número de pessoas estudando nos presídios do Piauí teve um salto de quase três vezes em relação ao ano anterior, chegando a quase 600 pessoas, e cinco detentos passaram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Em 2016, além da continuidade da Educação de Jovens e Adultos (EJA), será desenvolvido o programa Brasil Alfabetizado nas penitenciárias.


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas