Senado informa salários de servidores; Câmara proibi divulgação imprimir publicado em: 31 / 07 / 2012

Senado FederalO Senado deve começar a divulgar nesta terça-feira (31) os salários dos seus servidores. A consulta será nominal e poderá ser feita no seu site.

Na noite de segunda-feira (30), o sindicato dos servidores da Câmara dos Deputados conseguiu liminar proibindo a divulgação nominal dos salários dos funcionários da Casa, que também estava prevista para ocorrer nesta terça.

A medida do Senado atende a uma exigência da Lei de Acesso à Informação, em vigor desde maio, que determina que os órgãos públicos liberem o acesso a informações oficiais. O objetivo é permitir à população acompanhar com mais facilidade como o dinheiro público é gasto, além de inibir a corrupção.

Para o sindicato que representa a categoria, no entanto, a publicação dos nomes viola a privacidade e fere a Constituição. “Ao divulgar o nome do servidor e quanto ele ganha, está sendo quebrado o sigilo fiscal dele. O certo seria publicar a lista individualizada, mas com um número ou código no lugar do nome”, afirma Nilton Paixão, presidente do Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União).

Por esta razão, segundo Paixão, o sindicato entrou com a ação na Justiça para impedir a divulgação dos salários pela Câmara dos Deputados, e conseguiu a liminar.

A ação é apenas contra a Câmara dos Deputados porque, até então, o Senado não havia divulgado que também iria publicar os salários nominalmente, o que só fez na noite desta segunda. No entanto, ao ser informado que o Senado também divulgaria com os nomes, disse que ingressaria com ação semelhante contra o Senado.

“Não somos contrários à divulgação, mas não há sentido divulgar o nome do servidor. Isso só vai gerar fofoca e pode colocar em risco a segurança dele e da família”, diz.

Anúncio da decisão

O Senado já havia anunciado em maio que faria a divulgação nesta data. A Câmara, porém, só informou quando iria divulgar os salários em meados de julho. A demora gerou críticas ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS).

Na época do anúncio, Maia justificou que foi preciso fazer uma análise: “Foi um processo um pouco mais demorado porque nós fizemos uma análise muito detalhada de todas as situações que por ventura pudessem ser requisitadas ou levantadas dentro da Câmara pela Lei de Acesso à Informação”.

No site da Câmara, também estará disponível a relação de gastos feitos pelos parlamentares, com as devidas cópias digitais das notas fiscais. A divulgação será feita sempre no último dia útil de cada mês.

Alguns dados serão mantidos em sigilo sob a justificativa de que podem comprometer a segurança da Casa, dos parlamentares e servidores.

uol.com

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas