Trabalhadores da AlmavivA fazem manifestação após demissão em massa imprimir publicado em: 13 / 10 / 2017

protestoPelo menos 200 trabalhadores da empresa de telemarketing AlmavivA do Brasil estão realizando na manhã desta sexta-feira (13), manifestação nas sedes da empresa, nos bairros Dirceu e São Pedro, zonas sudeste e sul de Teresina.

De acordo com Marcos Antônio, diretor de relações sindicais do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Piauí (Sintel), a manifestação é referente a prática abusiva que a empresa faz para com os seus trabalhadores no ato da demissão, principalmente na demissão por justa causa.

“A empresa simplesmente homologa uma demissão sumária. Ela não dá o direito de defesa do trabalhador e trata ele como um bandido, utilizando as vezes o segurança e a força da empresa. O trabalhador é levado para uma sala e é coagido. A prática da empresa, independente da demissão por justa causa ou não chega a 30 ou 40 demissões por dia, ou seja, demissão em massa”, afirmou.

Segundo Marcos, a empresa usa como argumento, alguns erros de ligação. “O trabalhador atende em média 100 ligações por dia e, se você for analisar uma média de 10 a 15% das ligações que caem por dia, no mês isso dá em torno de 500 a mil ligações e a empresa alega que não foi culpa deles, simplesmente, foi o sistema não conseguiu absorver”, disse.

Otoniel, ex-funcionário da empresa, alega que se sentiu lesado no momento da demissão. “Eu trabalhei na empresa durante dois anos e sete meses. Fui demitido no último dia 04 de outubro. No meu caso, eu acho injusto o fato de que eles pegaram uma ligação do dia 21 de agosto e somente três meses depois eles alegaram a justa causa, sendo que no ato eles não me deram oportunidade de me defender. Estou me sentindo lesado, de mãos atadas. Por isso já abri um processo contra a empresa e quero que a justiça seja feita”, frisou.

A Sindel oferece, por meio da nossa assessoria jurídica, a defesa dessas pessoas que foram demitidas. “Vamos ingressar com um processo judicial, para tentar verificar se o processo de demissão por justa causa foi realmente correto e as pessoas que ganharem o processo serão reintegradas ou a rescisão direta, que é o pagamento de multa por parte da empresa”, ressaltou Marcos.

O diretor disse ainda que está havendo uma negociação com a empresa para a suspensão das demissões em massa. “Mediante ofício, os gestores da AlmavivA se comprometeram já algum tempo, a suspender as demissões por justa causa até a próxima negociação, que vai acontecer dia 26. No entanto, os trabalhadores estão se manifestando devido ao longo assédio que está acontecendo ao longo dos meses”, completou.

almaviva


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

    Vale Vermelho

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Physio II

últimas