Trabalhadores e estudantes realizam protesto contra PEC 55 em Teresina imprimir publicado em: 25 / 11 / 2016

protestoRepresentantes de diversas entidades trabalhistas e estudantis tomaram as ruas do Centro de Teresina na manhã desta sexta-feira (25) dia Nacional de lutas. Os manifestantes protestam contra a PEC 55, proposta que será votada no dia 29 no Senado e que limita despesas do governo impondo um teto de gastos; a reforma do ensino médio e as reformas da previdência. A organização do movimento não falou sobre estimativa de público. A Polícia Militar não acompanhou.

Josimara Bárbara, representante do Comando de Mobilização do Instituto Federa do Piauí (IFPI) Sul, instituição com um dos campi ocupado há um mês, disse que o dia é importante para que os grupos unam forças contra a PEC 55 e a reforma do ensino médio, medidas que, segundo ela, irão prejudicar a educação do país.

“Até o dia da votação os estudantes continuarão a ocupar o campus. São cerca de 50 estudantes participando das atividades de formação política realizadas todas as manhãs no campus e cerca de 25 estudantes pernoitam diariamente no local”, disse.

 “A juventude nos deu uma grande lição. Agora é a vez dos trabalhadores irem às ruas para derrubar a PEC 55 que irá mexer nos investimentos para a educação, previdência e reformas trabalhistas”, falou Ana Célia, representante do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserm).

bandeiraOs servidores técnicos da Universidade Federal do Piauí (UFPI), que estão de greve há mais de um mês, também participaram e, segundo Francisco Leite, diretor do Sintufpi (Sindicato dos Trabalhadores da UFPI) vão permanecer até a votação da PEC.

“Todos os servidores técnicos continuarão de greve, com exceção daqueles que trabalham em serviços essenciais como segurança e saúde. Além dessa PEC, protestamos contra o acordo trabalhista acordado no ano passado e que até o momento não foi cumprido. A ideia dessa mobilização é juntar o maior número de pessoas  e o próximo passo será a marcha até o Congresso em Brasília na próxima terça (29)”, disse.

 Os manifestantes lembram ainda que nesta sexta é dia mundial de luta contra a violência contra a mulher. De acordo com Luciane Santos, diretora de assuntos das mulheres trabalhadoras do Sindserm, a PEC atinge os setores mais frágeis da sociedade, principalmente as mulheres que, segundo ela, já sofrem diariamente com o machismo. Por esta razão, ela afirma, não reata outra saída a não ser a luta e a resistência.

Os manifestantes partiram por volta das 8h da Delegacia Geral do Trabalho, na Avenida Frei Serafim e encerraram a caminhada em frente ao Prédio da Previdência Social na Praça da Bandeira, no Centro da Capital, às 11h.

Portaldaclube


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

últimas