domingo, 25 de agosto de 2019
86 98179 0860
Internacional

01/05/2019 às 09h18

Redação

Teresina / PI

Militares veem Guaidó enfraquecido, mas não descartam escalada da crise
Para general Heleno, líder parece fraco militarmente e não conquistou alto escalão
Militares veem Guaidó enfraquecido, mas não descartam escalada da crise

A cúpula militar brasileira avalia que o movimento do opositor Juan Guaidó sofreu um forte revés ao longo da terça-feira (30), mas não descarta uma nova escalada na crise da Venezuela, inclusive considerando a hipótese de uma guerra civil no país vizinho.

A Folha apurou com membros dos Altos Comandos das Forças a avaliação de que a adesão de militares de patentes baixas e intermediárias gerou a expectativa de que a cúpula chavista se virasse contra o ditador Nicolás Maduro.

Coube ao general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional, externar a análise parcial.

“No início da manhã, não se percebeu movimentação militar, mas foi anunciado pelo Guaidó um maciço apoio das Forças Armadas. Logo depois isso foi colocado na dimensão correta: havia um certo apoio das Forças Armadas, mas isso não chegava a atingir os altos escalões, ficava ali no escalão mais baixo”, disse.

“O que tem parecido é que esse apoio [dos militares a Guaidó] talvez tenha algum valor quantitativo, mas qualitativo ele ainda não foi expressado. Não teve nenhum chefe militar a que a gente tenha assistido ou ouvido dando um apoio explícito ao presidente Guaidó”, afirmou.

Para ele, “a gente tem a sensação de que o lado do Guaidó é fraco militarmente”.

A libertação do opositor Leopoldo López pegou de surpresa os militares e diplomatas especializados na região. Segundo um general, ao fim do dia a aparência foi a de um golpe malsucedido, mas a situação permanecia fluida.

Isso não significa que o risco de um conflito entre apoiadores e opositores de Maduro não continue no radar. O general disse que o embate direto entre militares elevou o patamar da crise.

Se a persistência de Maduro no poder desagrada o presidente Jair Bolsonaro (PSL), ela também dá argumentos à defesa que a ala militar faz de evitar qualquer tipo de intervenção na crise venezuelana.

As divergências internas estavam representadas na reunião que Bolsonaro convocou para discutir o caso.

A ala dita ideológica de seu governo estava representada por Ernesto Araújo, o chanceler indicado pelo escritor Olavo de Carvalho e cuja nomeação foi aprovada por Eduardo, o filho de Bolsonaro que é deputado federal (PSL-SP) e atua na área internacional.

O Itamaraty liderou a guinada mais radical de oposição a Maduro, iniciada já no governo de Michel Temer (MDB). O país apoiou o pleito de Guaidó de ser presidente interino e deixou de reconhecer o ditador como presidente legítimo, em linha com o que prega o americano Donald Trump, com quem a ala é afinada.

Se não advoga abertamente uma ação militar contra Maduro, a ala busca agudizar ao máximo o conflito.
Oposto a ele está o vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB), que é visto como autoridade no país vizinho por ter sido adido militar em Caracas por dois anos, no começo da era Hugo Chávez.

Ele se opõe tanto à ditadura de Maduro, que considera acabada, quanto às sugestões de intervenção. A seu lado ficou Heleno. Ao ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, cabe o papel de conciliador —afinal de contas, será na sua conta que cairá a fatura real da evolução da disputa.

Na semana passada, Bolsonaro foi forçado pelos militares a publicar nota desautorizando Olavo, devido às críticas feitas pelo escritor a Mourão. Nesta terça, o presidente republicou uma postagem do ideólogo do bolsonarismo reclamando do uso da palavra golpe para caracterizar o movimento contra Maduro.

Em meio a tanto vaivém, uma coisa é certa: os militares brasileiros seguem contrários à ideia de forçar a mudança de regime —um desejo de Trump que encontra vários partidários na vizinha Colômbia e também no bolsonarismo, em especial seu núcleo olavista.

O próprio Heleno afirmou que não há solução de curto prazo à vista para a disputa, apesar dos sobressaltos.

É possível que haja movimentações na área de fronteira, preventivas, em caso de retomada da escalada da crise.

Segundo um comandante militar que discutiu o assunto ao longo da terça, o plano de contingência inclui o deslocamento de uma brigada mecanizada com apoio de blindados e artilharia antiaérea para região da fronteira em Roraima, estado que só tem cerca de 700 militares.

Mas mesmo isso é meramente uma hipótese neste momento, dado que tudo dependerá do desenvolvimento da situação em Caracas. O próprio destino de Guaidó parece incerto.

Na cúpula militar, há a expectativa sobre uma manifestação mais incisiva da ONU (Organização das Nações Unidas) e especula-se sobre o eventual uso de uma força de manutenção da paz no futuro, o que esbarra o apoio que Maduro tem de dois dos cinco membros do Conselho de Segurança da entidade, Rússia e China.

FONTE: Folha de S. Paulo

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium