Quinta, 22 de agosto de 2019
86 98179 0860
Tecnologia

03/05/2019 às 09h18

Redação

Teresina / PI

EUA acusam dupla de montar rede bancária fraudulenta para serviços de criptomoeda
Dupla conspirou para abrir contas bancárias para uso de terceiros, omitindo a finalidade e a origem dos recursos.
EUA acusam dupla de montar rede bancária fraudulenta para serviços de criptomoeda

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos acusou um homem e uma mulher de montarem uma rede bancária fraudulenta para permitir que plataformas de compra e venda de criptomoedas ("exchanges") operassem nos Estados Unidos de forma clandestina.

O americano Reginald Fowler, de 60 anos e a israelense Ravid Yosef, 36, trabalharam em conjunto para abrir as contas bancárias que seriam destinadas às exchanges. De acordo com o governo, os bancos em que as contas foram abertas não foram informados sobre a finalidade das operações. Fowler já foi detido pelas autoridades, mas Yosef continua foragida.

Os crimes teriam ocorrido de fevereiro de 2018 a outubro de 2018. O objetivo seria permitir que as plataformas de compra e venda de criptomoedas atuassem nos Estados Unidos sem cumprir exigências legais criadas para evitar a lavagem de dinheiro.

Segundo o Departamento de Justiça, uma dessas plataformas afirmava publicamente que cumpria as exigências legais de lavagem de dinheiro, mas que, por usar serviços bancários clandestinos, essas declarações eram falsas.

As autoridades identificaram quatro contas em nome de Fowler e de uma empresa chamada Global Trading Solutions que teriam sido usadas no esquema. As contas foram bloqueadas e os saldos confiscados pelas autoridades.

Fowler e Yosef vão responder por fraude bancária e conspiração para realizar fraude bancária – cada um desses crimes tem uma pena máxima de até 30 anos. Fowler ainda responderá por crimes envolvendo operações de transações financeiras não autorizadas, com pena máxima de cinco anos.

Possível ligação com o caso Bitfinex

A Procuradoria do Estado de Nova York, um órgão estadual dos EUA, anunciou publicamente que investiga a plataforma de compra e venda de criptomoedas Bitfinex desde 2018 e solicitou judicialmente que a empresa forneça documentos a respeito de transações suspeitas realizadas.

A ação contra Fowler e Yosef, por sua vez, foi movida pelo Departamento de Justiça, que é um órgão federal.

Como o Departamento de Justiça não revelou o nome da plataforma de criptomoeda que utilizou os serviços dos acusados do caso federal, não é possível saber se há alguma relação entre os dois.

No entanto, as ações têm algumas semelhanças. Uma delas é que o caso federal também está nas mãos de agentes em Nova York – o procurador federal, o agente do FBI e o agente da Internal Revenue Service (a "Receita Federal" dos EUA) que trabalham no caso são todos de Nova York.

O documento do Departamento de Justiça revela ainda que Fowler abriu contas em nome de uma empresa chamada Global Trading Solutions LLC. Segundo publicações especializadas no mundo de criptomoedas, o dono dessa empresa seria Ivan Manuel Molina Lee, um canadense que vive no Panamá e que também é dono da Crypto Capital, a empresa que, segundo a procuradoria de Nova York, prestava serviços bancários para a Bitfinex desde 2014.

FONTE: blog do Altieres Rohr

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium