Quinta, 20 de junho de 2019
86 98179 0860
Geral

09/06/2019 às 09h25

Redação

Teresina / PI

Piauí pode ser pioneiro na proibição de agrotóxico que mata abelhas
O projeto de lei destaca, ainda, que a quantidade do agrotóxico necessária para causar a morte das abelhas é “incrivelmente pequena”.
Piauí pode ser pioneiro na proibição de agrotóxico que mata abelhas

O Piauí deve proibir o uso de agrotóxicos à base de neonicotinóides em todo seu território, caso projeto de lei apresentado pelo deputado Estadual Ziza Carvalho (PT) em sessão plenária na Assembeia Legislativa do Estado (Alepi) seja aprovado.

O texto foi encaminhado para análise das Comissões Técnicas da Alepi na última quarta-feira (5). Ziza Carvalho alerta que abelhas estão morrendo por conta do uso da substância inseticida. O deputado cita que as abelhas são as principais polinizadoras dos ecossistemas do planeta e seu principal “inimigo” são os agrotóxicos a base de neonicotinóides.

“Os principais inimigos das abelhas são os agrotóxicos neonicotinoides, uma classe de inseticidas derivados da nicotina, como por exemplo o Clotianidina, Imidaclorid e o Tiametoxam. A diferença para os outros venenos é que ele tem a capacidade de se espalhar por todas as partes da planta: flores, ramos, raízes e até o néctar e pólen. Eles são usados em diversas culturas como de algodão, milho, soja, arroz e batata”, justifica o projeto.

O deputado disse que o projeto é mais preventivo e que uma das prioridades é garantir o sucesso da produção de mel orgânico do Estado, que é um dos maiores exportadores do produto do país. Ziza Carvalho conta que no Brasil já há vários casos registrados de mortandade de abelhas por agrotóxicos, principalmente à base de  neonicotinoides.

O projeto de lei destaca, ainda, que a  quantidade do agrotóxico necessária para causar a morte das abelhas é “incrivelmente pequena”. “Os neonicotinóides são 10 mil vezes mais potentes que o DDT. Basta que as abelhas sejam expostas a 5 nanogramas para que a metade delas venha a morrer. Assim como as abelhas, borboletas, mariposas, besouros e outros polinizadores que se alimentam das flores de espécies domesticadas pelo ser humano podem, ao que parece, absorver veneno em quantidade suficiente para comprometer sua sobrevivência”, ressalta o texto.

Piauí seria pioneiro


Caso o projeto de lei do deputado Ziza Carvalho seja aprovado, o Piauí se tornará pioneiro na proibição do uso de agrotóxicos com neonicotinóides no Brasil. A doutora em Zootecnia pela Universidade Federal do Ceará e pesquisadora da Empraba, Fábia de Mello Pereira, defende a aprovação do texto e afirma que a questão é “muito preocupante”. 

“Em vários países da Europa já está proibido o uso dessa substância como defensivo agrícola. No Brasil a gente tem lutado muito contra isso. É muito usado, principalmente, na produção de soja. Temos que barrar mesmo a todo custo o uso desse inseticida. Se aprovado, o Piauí sairia na frente e daria um exemplo para todo Brasil”, analisa a pesquisadora.

A doutora Fábia ressalta que, além das mortes das abelhas, o Piauí pode ter prejuízo econômico na exportação de mel orgânico, caso o uso do defensor agrícola não seja proibido.

“O mel é  o terceiro produto na pauta de exportação no Piauí. Em 2018 o Piauí arrecadou mais de U$13 milhões só com a exportação do mel. 80% deste mel é comercializado como orgânico(...) Se houver uso indiscriminado por parte dos agricultores o próprio vento pode levar esse agrotóxico para dentro das colmeias ou quando as abelhas forem visitar as flores onde foram aplicados os agrotóxicos elas também levam a substância para dentro das colmeias contaminando o mel.  E aí nós teríamos uma perda dessa certificação de orgânico. Seria importante que a gente começasse  a trabalhar para evitar essa contaminação do mel”, explica.

A pesquisadora ressalta que este tipo de contaminação ainda é apenas uma preocupação de pesquisadores e o que o problema não é constatado no Piauí.

Audiência

Para debater o assunto, uma audiência pública proposta pela Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Acompanhamento de Fenômenos Naturais será realizada na Assembleia Legislativa do Estado.

A reunião vai discutir a utilização de agrotóxicos no Piauí e contará com  representantes das instituições de ensino superior UFPI e UESPI, a Secretária Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos e demais representantes de órgãos ambientais.

A data da audiência ainda será marcada.

FONTE: Cidade Verde

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium