Segunda, 22 de abril de 2019
86 98179 0860
Entretenimento

05/02/2019 às 06h33

Redação

Teresina / PI

Justiça critica "inércia" das irmãs e veta interdição de Johnny Saad da Band
Em crise, Band enfrenta dívida milionária e disputa familiar
 Justiça critica
Johnny Saad no centro do furacão

A 2ª Vara Empresarial e Conflitos de Arbitragem do Tribunal de Justiça de São Paulo negou, na noite desta segunda-feira (4), a interdição de João Carlos Saad, conhecido como Johnny Saad, do cargo de presidente do Grupo Bandeirantes de Comunicação. O processo foi movido por suas irmãs, Márcia de Barros Saad e Maria Leonor Saad, herdeiras do conglomerado.

A decisão é a quinta tentativa das irmãs de conseguirem uma liminar, todas frustadas.

Na primeira, o magistrado declarou que a competência para a solução do caso seria por meio de uma corte arbitral, a ser marcada, indeferindo o pedido de afastamento imediato de Johnny do comando das empresas.

Em resposta a um recurso com mesmo teor, outro juiz decidiu da mesma forma, citando trechos da primeira sentença. Em todas as outras anteriores, feitas em tentativa de agravo de liminar pelas irmãs de Johnny Saad, o TJ-SP negou os pedidos.

Na decisão proferida hoje, um pedido de reconsideração às outras decisões, em virtude da proximidade das reuniões do conselho, o juiz Eduardo Palma Pellegrinelli criticou as autoras do processo "pela sua inércia".

"Entretanto, o descontentamento das autoras em muito deve ser atribuído à sua própria inércia, eis que a presente ação foi ajuizada no dia 11/09/2018 e o requerimento de instauração do procedimento arbitral apenas foi formulado em dezembro, pelo corréu João", disse no documento.

O juiz fez a crítica porque o processo só teve andamento depois que Johnny entrou com um procedimento para que uma corte arbitral votasse a questão, já que uma indefinição pode gerar uma crise ainda maior no Grupo Bandeirantes.

Nesta segunda tentativa, impedida pela Justiça, Márcia e Leonor tentavam invalidar que Johnny Saad participasse das reuniões do conselho administrativo que deverá manter sua continuidade na presidência do grupo. Elas estão marcadas para esta terça-feira (5) e para a próxima quinta (7).

Johnny conseguiu manter a sua permanência nas discussões, além do seu direito a votar e ser votado para presidente do conglomerado. No entanto, a medida é cautelar, já que a corte que votará a sua permanência à frente da empresa ainda será definida, em data não marcada pela Justiça paulista.

Até aqui, Márcia e Leonor tentaram tirar Johnny Saad do cargo por força de liminar, o que não foi concedido. Enquanto isso, o empresário segue à frente de todo o Grupo Bandeirantes. Segundo o processo, são 40 empresas, além de todo o espólio da família Saad e dos cinco filhos do fundador João Jorge Saad, que faleceu em 1999.

A decisão expõe ainda mais a briga entre os cinco filhos de João Jorge Saad nos bastidores. Matéria do site Brazil Journal publicada nesta segunda mostrou que as dívidas na emissora estão na casa dos R$ 1,2 bilhão.

Johnny é criticado por todos por conta da gestão familiar e nada profissional do grupo. Márcia e Leonor estariam dispostas a levar até às últimas consequências a intenção de retirar o irmão do cargo máximo da empresa.

Especula-se nos bastidores que as irmãs não pretendem usurpar o poder de Johnny, mas querem a profissionalização de todos os segmentos do grupo e que o CEO, cargo ocupado por ele desde 1999, seja trocado a cada três anos.

O processo continua correndo na Justiça de São Paulo e tudo vai depender da decisão da corte arbitral, que decidirá como a Band deverá ser gerida daqui para frente.

FONTE: Na Telinha

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium