Poupa Ganha é condenado a pagar R$ 75 mi para ex-funcionário imprimir publicado em: 14 / 07 / 2017

poupa ganhaO antigo bingo Poupa Ganha foi condenado pela Justiça do Trabalho de Alagoas ao pagamento de R$ 75 milhões de indenização trabalhista em favor de um ex-vendedor de cartelas, que fechou  no ano de 2000).

Devido a soma do valor da indenização trabalhista, o caso ganhou repercussão nacional, sendo destaque nesta sexta-feira (14/07) na Coluna do Lauro Jardim, do Jornal O Globo.

O processo corre há quase duas décadas, de correção monetária e “protelamento” para o pagamento dos valores pleiteados. O montante seria correspondente a valores devidos em contrato e danos morais. A parte reclamada não concorda com o desfecho do caso e tenta anular a decisão judicial.

O ex-funcionário alega nos autos que mantinha vínculo empregatício com o Poupa Ganha e apurava R$ 45 mil por mês. Os advogados do PG tentam convencer o julgador que o contrato de trabalho do ex-vendedor de cartelas foi fraudado.

Em coluna assinada por Efrem Ribeiro, no jornal Meio Norte, desta sexta-feira, faz alusão à falsificação da assinatura, sem, no entanto, citar o caso do julgamento de Alagoas:

efrem

Os sorteios do Poupa Ganha começaram na década de 90 no Piauí, depois expandidos para outros sete Estados. Faturava, em média, R$ 79,5 milhões ao ano.

Quando fechou as portas no final do ano 2000, mantinha uma equipe de cerca de mil vendedores de cartelas em sete Estados.

Centenas de ações foram demandadas na Justiça do Trabalho em vários Estados.

Até agora, o caso de maior “monta” é o do ex-vendedor de cartela de Alagoas. Ele alega que trabalhou por três anos, vendendo cartelas e reclama o pagamento em valores percentuais por cartela vendida, como também o dano moral por parte do ex-empregador.

PortalAZ


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Biocentro

últimas