Telegram vai tirar do ar conteúdo terrorista ou radical na Indonésia imprimir publicado em: 17 / 07 / 2017

TelegramApós ser ameaçado de bloqueio na Indonésia, sob a acusação de ser usado para espalhar “propaganda radical e terrorista”, o aplicativo de bate-papo Telegram anunciou neste domingo (16) que está criando uma força-tarefa para retirar mensagens com esse teor.

Na sexta-feira (14), o governo indonésio informou que iria suspender o acesso ao serviço no país por ter canais “cheios de propaganda radical e terrorista, ódio, meios de fazer bombas, como elaborar ataques, imagens perturbadoras, em que tudo que está em conflito é a lei da Indonésia”, conforme anunciou o ministério das comunicações.

Para evitar ser atingido pelas sanções preparadas pela Indonésia, Pavel Durov, um dos criadores do app, afirmou que o Telegram está ciente de que o serviço é usado por militantes radicais. Em mensagem a seus 40 mil seguidores no bate-papo, ele afirmou que saber que isso ocorre não é a mesma coisa que endossá-las.

“Nós estamos formando um time dedicado de moderadores que tenha conhecimento da cultura e linguagem da Indonésia que seja apto a processar reportes de conteúdo relacionado a terrorismo mais rapidamente e de forma mais precisa”, escreveu.

Durov afirmou ainda que o Telegram bloqueia canais que são acusados de propagarem conteúdo radical pelo governo indonésio.

A iniciativa do país surge em meio ao aumento da presença e influência do Estado Islâmico no sudeste asiático, já que o grupo terrorista perde território na Síria e no Iraque. A Indonésia é o maior país com maioria islâmica do mundo.

O Telegram é uma plataforma bastante conhecida entre os simpatizantes do Estado Islâmico, que usam suas várias salas de bate-papo. O ministério não informou se vai bloquear outros apps.

Muitos app como WhatsApp e Telegram oferecem criptografia de ponta a ponta, de forma que nem mesmo a empresa que desenvolve essas plataformas é capaz de ler essas mensagens.

G1


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Biocentro

últimas