Trabalhadores dos Correios do Piauí aderem à greve imprimir publicado em: 27 / 04 / 2017

Trabalhadores dos Correios no Piauí aderiram à greve por tempo indeterminado deflagrada na noite de quarta-feira (26). O movimento não conta com adesão em apenas três estados do país: Sergipe, Amapá e Roraima. No Piauí, são mais de 1.650 funcionários.

correios

Segundo José Rodrigues, diretor de assuntos jurídicos do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares no Piauí, a greve é contra a privatização, demissões e retiradas de direitos, além do fechamento de pelo menos cinco agências somente em Teresina.

Durante o movimento grevista, todos os setores da empresa devem ser afetados e o serviço de entrega de correspondências deve ser o mais comprometido.

“Dessa vez a greve não tem como pauta principal os salários, mas a retirada de direitos dos trabalhadores e a demissão em massa com a privatização dos Correios. São medidas que precarizam o serviço prestado à população, a exemplo da entrega alternada, na qual o serviço deixa de ser diário”, falou José Rodrigues.

Além disso, os trabalhadores também alegam a falta de segurança nas agências. Outro ponto colocado pelos grevistas é a suspensão das férias este ano anunciada pelos Correios.

“Os Correios têm uma logística invejável, mas a empresa está com a imagem desgastada por conta dessas interferências políticas que ocorrem propositadamente para mostra que a empresa não tem condições de continuar pública”, disse ainda o diretor.

No Piauí, são aproximadamente 200 agências dos Correios espalhadas pelos 224 municípios.

Crise nos Correios

Os Correios enfrentam uma severa crise econômica e medidas para reduzir gastos e melhorar a lucratividade da estatal estão em pauta. O presidente dos Correios, Guilherme Campos, afirmou que a estatal teve um prejuízo estimado de R$ 400 milhões no primeiro trimestre, após ter tido prejuízo anual de cerca de R$ 2 bilhões em 2015 e em 2016. Ele disse ainda que a empresa não tem condições de arcar com sua folha de pagamentos e que demissões de servidores concursados estão em pauta.

A estatal não tem contratações há vários anos – o último concurso foi realizado em 2011.

Em 2016, os Correios anunciaram um Programa de Demissão Incentivada (PDI) e pretendia atingir a meta de 8 mil servidores, mas apenas 5,5 mil aderiram ao programa. “A economia com esses 5,5 mil é de R$ 700 milhões anuais e essa marca alcançada com o PDI fica aquém da necessidade da empresa. Precisamos ter outras ações para enxugamento da máquina da empresa”, afirmou Campos no dia 20 de abril.

Portaldaclube


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

últimas