Trabalhadores protestam contra as reformas de Temer em Teresina imprimir publicado em: 30 / 06 / 2017

greveManifestações contra as reformas propostas pelo governo de Michel Temer estão acontecendo por todo o país e em Teresina não é diferente. Vários movimentos sindicais estão reunidos na Praça Rio Branco, no centro de Teresina, protestando contra as reformas trabalhista, previdenciária e lei da terceirização.

Várias categorias confirmaram a adesão ao movimento, organizado pelas frentes Brasil Sem Medo e Brasil Popular. Quem precisar hoje de serviços de transporte público, bancários, comerciários e do sistema prisional, não vai conseguir. A educação também parou, tanto no setor básico quanto superior.

As visitas estão proibidas na Casa de Custódia durante esta sexta devido a paralisação das atividades do agentes penitenciários. Representantes do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi) também estão acompanhando as manifestações no centro da cidade, segundo informações repassadas pelo vice-presidente do Sindicato, Kleiton Holanda.

greveUm ato também está sendo realizado na entrada principal da Universidade Federal do Piauí (Ufpi), bloqueando o acesso aos centros. De acordo com o presidente da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras (Frasuba), André Gonçalves, os únicos setores que continuam funcionando são o Hospital Universitário e o Veterinário. “Eles são considerados essenciais e ambos estão funcionando abertos à comunidade que procura esse serviço, os demais setores estão paralisados”, explicou.

A estudante de arquitetura Brenda Mendes, presidente do Diretório Central de Estudantes (DCE) da Ufpi, disse que passou o período anterior à Greve conversando com as demais centrais sobre como seriam realizadas as manifestações. “A gente considera essencial para poder fazer com que os estudantes possam ir para a rua. Se a gente conseguisse fechar a universidade, os alunos não teriam aulas, não teriam provas e teriam menos problemas para conseguir participar da greve geral, não só os estudantes, como os professores e os técnicos”, afirmou.

Para professor Jurandir, presidente da Associação dos docentes da Universidade Federal do Piauí (Adufpi) é importante que a população vá para a rua para demonstrar a insatisfação com os atos do governo federal. “A gente entende que o objetivo só vai ser atingido se a sociedade toda for para a rua até expulsar esse governo de onde ele está e está de forma ilegítima”, contou. A partir das 10h30, eles devem se unir aos manifestantes no Centro de Teresina.


PDF pagePrint page

PARTICIPE

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

    Biocentro

últimas